eixo vivo

June 12, 2019 | Author: Anonymous | Category: N/A
Share Embed Donate


Short Description

intermodal cachorródromo parque infantil áreas de estar monumento ambiental: manejo e conservação dos elementos naturais...

Description

marquise multiuso

eventos ar livre

catedral / ponto turístico

monumento

quiosques

marquise multiuso

canteiros

turismo e contemplação / monumento

eventos ar livre

quiosques

fonte luminosa

áreas de estar

anfiteatro ao ar livre

pista de skate

quiosques

terminal intermodal

cachorródromo

parque infantil

quiosques

quiosques

espaço multiuso

marquise multiuso

eixo vivo

visão de futuro para o eixo monumental de maringá O projeto EIXO VIVO é o resultado de um processo de reestruturação do Eixo Monumental de Maringá que recupera a vida urbana e a unicidade da área central da cidade. A pluralidade do espaço oferece oportunidades para uma proposição de estratégias capazes de potencializar o existente e ao mesmo tempo preservam a memória local. EIXO VIVO é o impulso que possibilita a criação de uma identidade e promove oportunidades distintas de interação e apropriação dos lugares, potencializando a articulação do território da cidade e configurando um panorama de desenvolvimento, inclusão e conservação.

costura A análise da atual configuração da região demonstra os distintos níveis de complexidade presentes na perspectiva de uma transformação do espaço urbano. A cidade de Maringá apresenta uma paisagem única marcada pelo traçado urbano planejado e por seu projeto de arborização urbana que realça as principais avenidas da cidade. O plano urbanístico se desenvolveu considerando dois eixos principais: o da ferrovia, traçado no sentido leste-oeste, e o do Eixo Monumental, conformado a norte-sul. Hoje o Eixo encontra-se descaracterizado, situação enfatizada pela presença de elementos que conformam barreiras que resultam na fragmentação do espaço, prejudicando sua compreensão como eixo conector e estruturador. O protagonismo dos carros configura uma das principais barreiras identificadas – além dos fluxos viários, o transporte individual ocupa com estacionamentos extensões significativas ao longo do Eixo. A fragmentação também se intensifica diante da pouca diversidade de usos nos diferentes setores do eixo. Esse fator, aliado à conformação de uma paisagem mais contemplativa do que interativa e à priorização do espaço dos carros, produz uma experiência inativa de vida urbana, resultando numa representatividade atenuada da área cujo potencial pulsa por maior aproveitamento.

0

10

20

50

100

situação atual espaço dos carros espaço das pessoas

pista de caminhada e corrida

gramado atividades bem-estar piquenique

elementos de água

quiosques

marquise multiuso

parque infantil

elementos de água

quiosques

comércio

jogos ao ar livre

quiosques

quiosques

quadras poliesportivas

futuro equipamento cultural

monumento

horta

quiosques

24 h

estratégias Três camadas de atuação se sobrepõem para uma abordagem integrada e construção de um cenário de ocupação sustentável do território: paisagem viva

carro

pessoas

natureza contemplativa

fragmentação

uniformidade fluxos de usos unidirecionais

experiência inativa

A proposta busca valorizar a essência do Eixo como espaço público e recupera a integridade da região, trazendo o espaço útil de lazer e vida urbana sob a perspectiva de acolher diversas formas de interação entre pessoas, espaço urbano, natureza e tecnologias. Inverte-se a lógica de ocupação do ambiente urbano: mais espaço para as pessoas, ao mesmo tempo em que os carros possuem seu lugar no sistema, no entanto com menor prevalência. EIXO VIVO promove uma costura do espaço atual, ressaltando o protagonismo da escala humana no território e a experiência do usuário ao permear este lugar que oferece encontros, conexões e relações dinâmicas e afetivas com a cidade. situação proposta espaço dos carros espaço das pessoas espaço compartilhado

Resgata a memória e história do município como local produtor, recuperando a memória agrícola, que se relaciona diretamente com o resgate do projeto urbanístico. Incorpora a natureza além da contemplação visual, produzindo um espaço dinâmico, que alimenta, conscientiza e sensibiliza, traz senso de pertencimento e comunidade, gera ambientes lúdicos, conformando lugares de complexa interação do indivíduo com o ambiente. mobilidade Configura um cenário de pedestrianização do Eixo, com piso em nível em toda sua extensão. O transporte ativo a pé ou de bicicleta como protagonista é uma premissa básica para atender aos propósitos de requalificação do espaço urbano, alinhada ao movimento mundial da prática de um desenho urbano voltado à escala humana, privilegiando qualidade de vida e ambientes urbanos mais saudáveis e sustentáveis. O transporte coletivo e o transporte individual possuem seu lugar no sistema, conformando vias compartilhadas ao longo do Eixo.

infraestrutura ativa

mobilidade

paisagem viva

infraestrutura ativa

carro

pessoas

natureza interativa

costura

diversidade de usos

fluxos múltiplos

experiência ativa

Ao partir da perspectiva do usuário, o desenho urbano desenvolve-se como plataforma que sustenta e revela as diversas potencialidades do lugar. O elemento unificador é a materialização de uma paisagem urbana na qual confluem distintos processos:

1. usos / usuários / âncoras

2. lugares

Identificação das atividades, usos existentes e potenciais, edifícios e lugares com atratividade, e usuários associados a eles. As diferentes características entre os setores conformam oportunidades que conferem a possibilidade de oferta de distintas experiências e formas de interação.

Identificação de polos de maior densidade e atração relacionados aos usos e sua conformação como lugares afetivos.

Ao priorizar a escala do pedestre, a vida urbana surge, abrindo espaços que promovem maior relação dos edifícios e atividades do entorno com o espaço público, conferindo vivacidade e ativação da vida nas ruas. A infraestrutura ativa relaciona os equipamentos, sistemas, tecnologias e demais elementos à experiência do usuário no espaço.

3. fluxos

4.partido

Como um fio condutor, o novo desenho permeia a extensão do eixo criando novos lugares e possibilidades de ocupação dos espaços, ao mesmo tempo em que conecta os setores ao longo do espaço urbano.

O processo resulta em um desenho que estrutura caminhos, áreas verdes e espaços de atividades, e que reforça a estrutura do Eixo e fortalece a imagem da cidade. Ressaltam-se potencialidades ocultas, oferecendo espaço para fomentar atividades existentes e estimular apropriação e novos usos. O Eixo torna-se um lugar ativo, atrativo e dinâmico – o espaço público como extensão do espaço privado, com maior qualidade para um desfrute da vida ao ar livre.

fase 1 (trechos A, B e G): início das intervenções nas extremidades do eixo – as primeiras ações aumentam a qualidade do espaço público e do pedestre, promovendo o impulso que movimenta a ocupação do espaço urbano. Ademais, são trechos que independem da execução do futuro VLT, criando um espaço de tempo na hipótese de tal projeto vir a ser desenvolvido.

Foram traçados princípios orientadores que buscaram traduzir os propósitos e diretrizes do concurso a fim de alcançar os objetivos desejados, norteando as propostas e ações em cada camada de atuação. Os princípios permeiam a criação de benefícios à toda sociedade, que perpassam pelos aspectos ambientais, sociais e econômicos:

s

O orçamento foi elaborado com base no estudo preliminar apresentado, sendo uma estimativa dos serviços e obras propostos. Os custos unitários foram obtidos através de Bancos de Preços oficiais da SINAPI-PR (jul/18) e CUB SINDUSCON-PR (set/18), além de cotações de mercado. Foram considerados, para cada trecho, os custos para pavimentação; paisagismo; mobiliário e equipamentos públicos; iluminação; drenagem, esgoto e água; elementos de água. Também considerou-se um valor para adequações nos trechos de cruzamento das vias perpendiculares com o Eixo.

fase 2 (trechos E e F): ativa os usos já existentes do mercado e as conexões com os usos da quadra relacionada ao futuro equipamento cultural no Novo Centro, que nessa fase possivelmente terá um projeto desenvolvido e integrado com o projeto deste trecho. Requer menos investimentos, conferindo margem entre os investimentos mais densos da primeira e última fase.

ambiental: manejo e conservação dos elementos naturais; criar um ambiente saudável, garantindo áreas permeáveis que permitem distintos graus de interação; garantir intervenções sustentáveis com mínimo impacto ao meio ambiente e à paisagem; preservar vegetação existente; conectar aos parques urbanos e possibilitar criação de corredor ecológico, além de agregar valor turístico.

Para o custo total foram estudados dois cenários: cenário 1, considerando a implementação de dois edifícios–garagem e cenário 2, considerando a readequação das vagas existentes, sem implementação de edifício garagem para parte das vagas suprimidas.

fase 3 (trechos C e D): considera a possibilidade de implantar o projeto do Eixo integrado às obras de implementação do futuro VLT, de forma a concentrar as intervenções viárias e maior complexidade da obra em um único momento.

fase 1

trecho a pavimentação paisagismo mobiliário e equip. público iluminação drenagem, esgoto e água elementos de água total por trecho vias perpendiculares

fase 2

fase 3

fase 1

social: melhorar infraestrutura existente, implantar novos usos e potencializar convívio e interação da população com o espaço urbano e natureza; Eixo como referência local e global de lazer e espaço público de qualidade, estimulando a preservação do patrimônio urbanístico e paisagístico da cidade; potencializar atividade sociocultural, econômica e comercial existente; garantir acesso democrático ao espaço público. econômico: agregar valor ao investir nas melhorias; eficiência operacional, energética, e hídrica gerando economia; fortalecer uso por moradores e turistas gerando benefícios econômicos; fomentar consumo de qualidade; desonerar prefeitura com gastos ao incentivar parcerias com iniciativa privada para viabilizar alguns investimentos.

Uma estratégia para geração de receitas é o fomento e a formação de parcerias público privadas para usos com potencial comercial, com o objetivo de incentivar a iniciativa privada a assumir responsabilidade por parte dos investimentos, adotando mecanismos de incentivos e contrapartidas que beneficiarão o poder público.

A viabilidade econômica é um dos principais fatores para o sucesso do projeto. Foi elaborada uma estratégia para implementação que associa os investimentos às diferentes fases de intervenção:

princípios orientadores

e 5.trama

faseamento e investimentos

A proposta cria uma plataforma que incentiva usos diurnos semanais, que dão suporte às atividades cotidianas; usos noturnos, criando espaços que acolham atividades e eventos que possam ocorrer à noite, aumentando a segurança dos lugares; usos de fim de semana, valorizando o potencial do Eixo como um parque urbano e grande espaço de lazer, cultura e turismo. A ativação do eixo acontece em diferentes dias e horários através de um processo contínuo de transformação, apropriado pelos próprios usuários.

a

Identificação das rotas de desejo, fluxos de pedestres, cruzamentos e travessias. As diagonais buscam as rotas mais desejadas pelos pedestres e quebram a monotonia que poderia ser conformada.

trama

trecho b

fase 1

fase 3

trecho c

trecho d

fase 2

trecho e

fase 1

trecho f

trecho g

3.192.301,72

2.751.978,24

1.601.885,26

2.960.707,19

1.642.050,45

653.972,15

548.432,11

3.089.320,00

618.540,00

179.270,00

457.600,00

227.890,00

96.200,00

1.021.800,00

750.923,22

1.022.069,69

293.561,69

1.388.434,88

179.156,64

283.888,69

420.210,27

686.210,18

567.541,47

639.788,61

559.514,01

294.648,35

317.838,79

480.383,24

521.156,64

425.987,38

165.717,79

301.302,18

218.550,94

69.729,60

102.705,19

495.521,97

300.000,00

47.000,00

990.000,00

-

-

-

8.735.433,73

5.686.116,78

2.927.223,35

6.657.558,26

2.562.296,37

1.421.629,22

2.573.530,81

2.144.695,50 Valores em reais (R$).

TOTAL POR FASE + VIAS PERPENDICULARES (sem inclusão de estacionamento)

fase 1

cenários obras estacionamento

cenário detalhado na proposta

r$ 17.638.489,97

fase 2

r$ 4.412.864,69

fase 3

r$ 10.657.129,36

estacionamento cenário 1*

R$ 7.504.833,26

estacionamento cenário 2*

R$ 10.282,50

CUSTO TOTAL CENÁRIO 1

R$ 40.213.317,28

custo total cenário 1 + bdi**

r$ 49.729.122,01

CUSTO TOTAL CENÁRIO 2

R$ 32.718.766,52

custo total cenário 2 + bdi**

r$ 40.461.111,94

*Cenário 1: com implementação de dois edifícios–garagem / Cenário 2: readequação das vagas existentes, sem implementação de edifício garagem para parte das vagas suprimidas. **Foi considerada uma taxa de 23% sobre o custo total (BDI) contemplando custos de administração da obra, impostos e lucro de 8% sobre o custo direto total.

01

View more...

Comments

Copyright � 2017 SLIDEX Inc.
SUPPORT SLIDEX