MANUAL TÉCNICO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO

November 21, 2017 | Author: Ian Ventura Estrela | Category: N/A
Share Embed Donate


Short Description

Download MANUAL TÉCNICO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO...

Description

MANUAL TÉCNICO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios. Válido para o exercício de 2010, de forma facultativa e obrigatoriamente em 2.011. (Portaria STN nº

, de 2009) 1ª edição

VOLUME IV Demonstrações Contábeis do Setor Público

Impresso no Brasil MINISTRO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Machado SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL Arno Hugo Augustin Filho SECRETÁRIOS-ADJUNTOS Líscio Fábio de Brasil Camargo Marcus Pereira Aucélio Paulo Fontoura Valle Eduardo Coutinho Guerra Cléber Ubiratan de Oliveira

CHEFE DE GABINETE Lindemberg de Lima Bezerra COORDENADOR-GERAL DE CONTABILIDADE Paulo Henrique Feijó da Silva COORDENADOR DE CONTABILIDADE Gilvan da Silva Dantas GERENTE Francisco Wayne Moreira EQUIPE TÉCNICA Allan Lúcio Sathler Caio Cesar Sales Nogueira Heriberto Henrique Vilela do Nascimento Rosilene Oliveira de Souza Welinton Vítor dos Santos Informações – STN: Fone: (61) 3412-3011 Fax: (61) 3412-1459 Correio Eletrônico: [email protected] Página Eletrônica: www.tesouro.fazenda.gov.br Ministério da Fazenda Secretaria do Tesouro Nacional Esplanada dos Ministérios, Bloco “P”, Edifício Anexo do Ministério da Fazenda, Térreo, Ala A CEP: 70048-900 – Brasília – DF

MANUAL TÉCNICO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Aplicado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios Válido para o exercício de 2010, de forma facultativa e obrigatoriamente em 2.011. (Portaria STN nº

, de 2009) 1ª edição

VOLUME IV Demonstrações Contábeis do Setor Público Brasília – DF 2009

COORDENAÇÃO EDITORIAL / REVISÃO DE TEXTO Secretaria do Tesouro Nacional / Coordenação-Geral de Contabilidade CRIAÇÃO CAPA: Marcelo Alvim Ferreira TIRAGEM: Publicação na Internet

Referência bibliográfica Brasil. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Manual de Demonstrações Contábeis. Brasília: STN/Coordenação-Geral de Contabilidade, 2008. xxxp. Ficha Catalográfica Brasil. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional Manual de Demonstrações Contábeis Nacional: Aplicado à União, Estados, Distrito Federal e Municípios / Ministério da Fazenda, Secretaria do Tesouro Nacional – 1. ed. – Brasília : Secretaria do Tesouro Nacional, Coordenação-Geral de Contabilidade, 2009. p. ISBN: 1. Demonstrações Contábeis – Brasil. 2. Direito financeiro – Brasil. 3. Responsabilidade fiscal – Brasil. I. Brasil. II.Titulo. CDD CDU

APRESENTAÇÃO

A Secretaria do Tesouro Nacional – STN, na qualidade de Órgão Central do Sistema de Contabilidade Federal, nos termos da Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001, e do Decreto nº 3.589, de 6 de setembro de 2000, vem emitindo normas gerais para atender ao disposto no parágrafo 2º, do artigo 50 da Lei Complementar nº 101, de 04 de maio de 2000, de forma a padronizar os procedimentos contábeis. Este Manual visa promover a transparência às contas públicas, e representa o esforço para padronizar os procedimentos contábeis nos três níveis de governo, de forma a garantir a consolidação das contas públicas. Assim, as demonstrações contábeis contribuem para a governança no setor público e o controle social, com a geração de informações úteis para a tomada de decisões pelos gestores públicos e para que os órgãos de controle possam avaliar o seu desempenho. Nesta oportunidade, a STN e a SOF agradecem aos colaboradores individuais e institucionais que, direta ou indiretamente, contribuíram para a edição deste Manual.

6

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

PORTARIA Nº xxx, DE xx DE xxxxxxxxxx DE 2009 Aprova a 1ª edição do Manual Técnico de Contabilidade Aplicada ao Setor Público – Demonstrações Contábeis do Setor Público O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº403, de 2 de dezembro de 2005, do MF, e Considerando o disposto no § 2º, do art. 50 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, que atribui competências ao órgão central de contabilidade da União para consolidação das contas públicas; Considerando o disposto no inciso I do art. 4º do Decreto nº 3.589, de 6 de setembro de 2000, e no inciso I do art. 17 da Lei nº 10.180, de 6 de fevereiro de 2001, que conferem à Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda, a condição de órgão central do Sistema de Contabilidade Federal; Considerando as competências do órgão central do Sistema de Contabilidade Federal, estabelecidas no art. 5º do Decreto nº 3.589, de 6 de setembro de 2000, complementadas pelo disposto no inciso XVII do art. 10 do Anexo I do Decreto nº 6.193, de 22 de agosto de 2007, Considerando o disposto no inciso II do art. 1º da Portaria nº 184, de 25 de agosto de 2008, do Ministério da Fazenda, sobre a necessidade de Plano de Contas Nacional para a elaboração de demonstrações contábeis consolidadas e padronizadas. resolve: Art. 1° Aprovar a 1ª edição do Manual de Demonstrações Contábeis do Setor Público, que deverá ser utilizado pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios de forma facultativa no exercício de 2010 e obrigatoriamente a partir de 2011. Art. 2° Delegar competência à Coordenação-Geral de Contabilidade, da Secretaria do Tesouro Nacional, para a coordenação e a execução do processo de atualização permanente das Demonstrações Contábeis do Setor Público. Art. 3º Disponibilizar o arquivo digital no sítio da Secretaria do Tesouro Nacional, de acesso público através do endereço eletrônico http://www.tesouro.fazenda.gov.br/legislacao/leg_contabilidade.asp. Art. 4º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação e tem seus efeitos aplicados a partir do exercício financeiro de 2010, revogando-se, a partir daquele exercício, as disposições em contrário.

ARNO HUGO AUGUSTIN FILHO Secretário do Tesouro Nacional

7

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 10 2 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ............................................................................................. 11 2.1 CONCEITO........................................................................................................................... 11 2.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 12 2.2.1 Previsão Inicial................................................................................................................... 14 2.2.2 Previsão Atualizada............................................................................................................ 14 2.2.3 Receitas Realizadas ............................................................................................................ 14 2.2.4 Dotação Inicial ................................................................................................................... 15 2.2.5 Créditos Adicionais ............................................................................................................ 15 2.2.6 Dotação Atualizada ............................................................................................................ 15 2.2.7 Despesas Empenhadas........................................................................................................ 15 2.2.8 Despesas Liquidadas .......................................................................................................... 15 2.2.9 Saldos de exercícios anteriores........................................................................................... 15 2.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 16 2.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 17 3 BALANÇO FINANCEIRO ..................................................................................................... 18 3.1 CONCEITO........................................................................................................................... 18 3.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 19 3.2.1 Definições........................................................................................................................... 19 3.2.1.1 Destinação Ordinária....................................................................................................... 19 3.2.1.2 Destinação vinculada....................................................................................................... 19 3.2.1.3 Transferências financeiras recebidas ............................................................................... 20 3.2.1.4 Transferências financeiras concedidas ............................................................................ 20 3.2.1.5 Recebimentos extra-orçamentários ................................................................................. 20 3.2.1.6 Pagamentos extra-orçamentários..................................................................................... 20 3.2.1.7 Disponibilidade ............................................................................................................... 20 3.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 20 3.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 21 4 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS................................................... 21 4.1 CONCEITO........................................................................................................................... 21 4.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 22 4.2.1 Variações Quantitativas ..................................................................................................... 24 4.2.1.1 Tributárias ................................................................................................................... 24 4.2.1.2 Contribuições .................................................................................................................. 24 4.2.1.3 Serviços e exploração de bens......................................................................................... 24 4.2.1.4 Transferências ................................................................................................................. 24 4.2.1.5 Outras ................................................................................................................... 24 4.2.1.6 Pessoal e encargos ........................................................................................................... 25 4.2.1.7 Benefícios sociais ............................................................................................................ 25 4.2.1.8 Uso de bens e serviços..................................................................................................... 25 4.2.1.9 Transferências ................................................................................................................. 25 4.2.1.10 Outras ................................................................................................................... 25 4.2.1.11 Resultado Financeiro Líquido ....................................................................................... 26 4.2.1.12 Ganhos/Perdas Não Operacionais ................................................................................. 26 4.2.1.13 Resultado da Equivalência Patrimonial ......................................................................... 26 4.2.2 Variações Qualitativas....................................................................................................... 26 4.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 26 4.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 26

7

8

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

5 BALANÇO PATRIMONIAL .................................................................................................. 27 5.1 CONCEITO........................................................................................................................... 27 5.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 29 5.2.1 Anexo ao Balanço patrimonial - demonstrativo do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial ..................................................................................................................... 30 5.2.2 Definições .......................................................................................................................... 30 5.2.2.1 Ativo circulante ............................................................................................................... 30 5.2.2.2 Ativo não-circulante ........................................................................................................ 31 5.2.2.3 Passivo circulante ............................................................................................................ 31 5.2.2.4 Passivo não-circulante ..................................................................................................... 32 5.2.2.5 Patrimônio Líquido / Saldo Patrimonial .......................................................................... 32 5.2.2.6 Ativo Financeiro.............................................................................................................. 32 5.2.2.7 Ativo Permanente ............................................................................................................ 32 5.2.2.8 Passivo Financeiro........................................................................................................... 32 5.2.2.9 Passivo Permanente......................................................................................................... 33 5.2.2.10 Contas de compensação................................................................................................. 33 5.2.2.11 Superávit Financeiro...................................................................................................... 33 5.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 33 5.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 33 6 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA........................................................................ 34 6.1 CONCEITO........................................................................................................................... 34 6.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 35 6.2.1 Pelo Método Direto ............................................................................................................ 36 6.2.2 Pelo Método Indireto.......................................................................................................... 37 6.2.3 Definições........................................................................................................................... 38 6.2.3.1 Ingressos operacionais..................................................................................................... 38 6.2.3.2 Transferências intergovernamentais ................................................................................ 38 6.2.3.3 Transferências intragovernamentais ................................................................................ 38 6.2.3.4 Ingressos de investimento................................................................................................ 38 6.2.3.5 Ingressos de financiamento ............................................................................................. 38 6.2.3.6 Dispêndios operacionais.................................................................................................. 38 6.2.3.7 Dispêndios de investimento............................................................................................. 38 6.2.3.8 Dispêndios de financiamento .......................................................................................... 39 6.2.3.9 Caixa e equivalente-caixa................................................................................................ 39 6.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 39 6.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 40 7 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO ........................................................ 40 7.1 CONCEITO........................................................................................................................... 40 7.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 41 7.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 41 7.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 41 8 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO............................... 42 8.1 CONCEITO........................................................................................................................... 42 8.2 ESTRUTURA ....................................................................................................................... 43 8.3 ANÁLISE.............................................................................................................................. 43 8.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO................................................................................................ 44 9 ANÁLISE DA CONSISTÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ........................ 44 9.1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO........................................................................................... 45 9.2 BALANÇO FINANCEIRO .................................................................................................. 45 9.3 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS................................................ 46 9.4 BALANÇO PATRIMONIAL ............................................................................................... 46

9

9.5 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA..................................................................... 46 9.6 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO ..................................................... 47 9.7 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO............................ 47 10 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS47 11 EXERCÍCIO PRÁTICO......................................................................................................... 49 11.1 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO .............. 49 11.2 LANÇAMENTOS TÍPICOS............................................................................................... 51 11.2.1 Previsão da Receita .......................................................................................................... 51 11.2.2 Fixação da Despesa .......................................................................................................... 51 11.2.3 Receita de Taxas............................................................................................................... 51 11.2.4 Contratação de Operação de Crédito................................................................................ 52 11.2.5 Alienação de Bens ............................................................................................................ 52 11.2.6 Registro de Bens Recebidos por Doação.......................................................................... 53 11.2.7 Despesa de Serviços ......................................................................................................... 53 11.2.8 Aquisição de Bens do Imobilizado................................................................................... 55 11.2.9 Depreciação...................................................................................................................... 56 11.2.10 Baixa de Bens Doados.................................................................................................... 56 11.3 ELABORAÇÃO DO BALANCETE CONTÁBIL ............................................................. 56 11.4 LEVANTAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS........................................ 58 11.4.1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO...................................................................................... 58 11.4.2 BALANÇO FINANCEIRO ............................................................................................. 59 11.4.3 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS........................................... 60 11.4.4 BALANÇO PATRIMONIAL .......................................................................................... 61 11.4.5 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA................................................................ 62 11.4.6 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO....................... 63

9

10

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

1 INTRODUÇÃO Este trabalho, intitulado Demonstrações Contábeis do Setor Público, tem como objetivo propiciar o processo de consolidação dos conceitos, regras e procedimentos relativos às demonstrações contábeis do setor público, com o estabelecimento de padrões a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, permitindo a evidenciação e a consolidação das contas públicas em nível nacional. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que aplica, no processo gerador de informações, os Princípios Fundamentais e as normas contábeis direcionados ao controle patrimonial das entidades do setor público. Tem como objetivo fornecer aos usuários informações sobre os resultados alcançados e os aspectos de natureza orçamentária, econômica, financeira e física do patrimônio da entidade do setor público, em apoio ao processo de tomada de decisão, a adequada prestação de contas e ao necessário suporte para a instrumentalização do controle social. Nesse contexto, as demonstrações contábeis assumem um papel fundamental, por representarem as principais saídas de informações geradas pela Contabilidade Aplicada ao Setor Público, promovendo transparência ao setor público. Para cumprimento do objetivo de padronização dos procedimentos contábeis, este Manual observa os dispositivos legais que regulam o assunto, como a Lei nº 4.320, de 17 de março de 1.964 e a Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, e também as disposições do Conselho Federal de Contabilidade relativas aos Princípios Fundamentais de Contabilidade, sobretudo as Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCT 16).. De acordo com a Lei 4.320/1.964, art. 101, os resultados gerais do exercício serão demonstrados no Balanço Orçamentário, no Balanço Financeiro, no Balanço Patrimonial, na Demonstração das Variações Patrimoniais, além de outros quadros demonstrativos. Assim, as demonstrações contábeis das entidades definidas no campo Contabilidade Aplicada ao Setor Público, disciplinadas por este Manual, são: a) Balanço Patrimonial; b) Balanço Orçamentário; c) Balanço Financeiro; d) Demonstração das Variações Patrimoniais; e e) Demonstração dos Fluxos de Caixa. A essas demonstrações, é acrescida a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido. Facultativamente, pode ser elaborada, ainda, a Demonstração do Resultado Econômico. As demonstrações contábeis previstas neste Manual devem ser divulgadas da seguinte forma: - Demonstrações Contábeis Consolidadas - devem compor a Prestação de Contas Anual de Governo, que recebe parecer prévio pelo Tribunal de Contas competente; - Demonstrações Contábeis Não-Consolidadas - devem compor a tomada ou prestação de contas anual dos administradores públicos. O Manual descreve os principais conceitos relativos a essas sete demonstrações, além de definir a estrutura e as instruções de preenchimento e demonstra os principais pontos para análise e avaliação

11

da gestão. Indica, ainda, os principais exames que devem ser efetuados pelos gestores para garantir a consistência das informações e os procedimentos para a consolidação. Por fim, o Manual contempla um exercício prático, com os lançamentos contábeis típicos do setor público, à luz da nova estrutura do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP), com o objetivo de ilustrar o levantamento das demonstrações contábeis.

2 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO 2.1 CONCEITO O Balanço Orçamentário, definido na Lei nº 4.320/1964, demonstra as receitas e despesas previstas em confronto com as realizadas. Esse balanço também está previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF, porém de forma mais detalhada e com periodicidade de publicação bimestral. Integra o Relatório Resumido de Execução Orçamentária - RREO, e deverá ser publicado até trinta dias após o encerramento de cada bimestre. Em sua estrutura, deve evidenciar as receitas e as despesas orçamentárias, por categoria econômica, confrontar o orçamento inicial e as suas alterações com a execução, demonstrar o resultado orçamentário e discriminar: (a) as receitas por fonte (espécie); e (b) as despesas por grupo de natureza. Segundo a LRF, o Balanço Orçamentário apresentará as receitas, detalhadas por categoria econômica, origem e espécie (destacando as receitas intra-orçamentárias), especificando a previsão inicial, a previsão atualizada para o exercício, a receita realizada no bimestre atual, a realizada até o bimestre atual e o saldo a realizar. Demonstrará também as despesas, por categoria econômica e grupo de natureza da despesa (destacando as despesas intra-orçamentárias), discriminando a dotação inicial, os créditos adicionais, a dotação atualizada para o exercício, as despesas empenhadas no bimestre atual e até o bimestre atual, as despesas liquidadas no bimestre atual e até o bimestre atual, e o saldo a liquidar. Para permitir maior transparência por meio da apuração total e líquida das receitas e despesas, estas deverão ser apresentadas nesta demonstração segregadas em: a) receitas orçamentárias líquidas das intra-orçamentárias; b) receitas intra-orçamentárias; c) despesas orçamentárias líquidas das intra-orçamentárias; e d) despesas intra-orçamentárias. As receitas e despesas intra-orçamentárias, quando existentes, poderão ser apresentadas em uma tabela no final do demonstrativo. Entretanto, caso não prejudique a transparência dos dados, a unidade contábil poderá optar por apresentá-las logo abaixo da linha totalizadora das receitas e despesas intra-orçamentárias, no corpo do demonstrativo, contendo o mesmo nível de desdobramento das outras receitas e despesas orçamentárias. Os valores referentes ao refinanciamento da dívida mobiliária e de outras dívidas deverão constar, destacadamente, nas receitas de operações de crédito internas e externas e, nesse mesmo nível de agregação, nas despesas com amortização da dívida de refinanciamento.

11

12

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

No nível de detalhamento em que são apresentadas no modelo (3º nível – Espécie), as receitas deverão ser informadas pelos valores líquidos das respectivas deduções, tais como restituições, descontos, retificações, deduções para o FUNDEB, e repartições de receita entre os entes da Federação, quando registradas como dedução, conforme orientação do Manual de Receita Nacional. O Balanço Orçamentário demonstra a execução orçamentária em um determinado exercício, apresentando um resultado positivo (superávit) ou negativo (déficit). No entanto, em função da utilização do superávit financeiro de exercícios anteriores, identificado no Balanço Patrimonial do exercício anterior ao de referência, para abertura de créditos adicionais, o Balanço Orçamentário poderá demonstrar uma situação distinta, quando considerados os saldos de exercícios anteriores que foram utilizados no exercício de referência. Esse desequilíbrio aparente ocorre porque o superávit financeiro de exercícios anteriores, quando fonte de recursos para abertura de créditos adicionais, não pode ser demonstrado como parte dos itens do Balanço Orçamentário que integram o cálculo do resultado orçamentário. O superávit financeiro não é receita do exercício de referência, pois já o foi em exercício anterior, mas constitui disponibilidade para utilização no exercício de referência. Por outro lado, as despesas executadas à conta do superávit financeiro são despesas do exercício de referência, por força legal, visto que não foram empenhadas no exercício anterior. Dessa forma, no momento inicial da execução orçamentária, tem-se o equilíbrio entre receita prevista e despesa fixada e constata-se que toda despesa a ser executada está amparada por uma receita prevista a ser arrecadada no exercício. No entanto, iniciada a execução do orçamento, quando há superávit financeiro de exercícios anteriores, tem-se um recurso disponível para abertura de créditos para as despesas não fixadas ou não totalmente contempladas pela Lei Orçamentária. O Balanço Orçamentário definido neste manual proporciona ao usuário de suas informações a possibilidade de analisar o seu resultado, confrontando-o com o superávit financeiro de exercícios anteriores, pois apresenta a linha SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES. Dessa forma, o equilíbrio entre receita prevista e despesa fixada no Balanço Orçamentário pode ser verificado (sem influenciar o seu resultado), somando-se os valores da linha TOTAL (item VII) e da linha SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES constantes da coluna PREVISÃO ATUALIZADA e confrontando-se esse montante com o total da coluna DOTAÇÃO ATUALIZADA (item XIV). A recomendação deste manual é que sejam utilizadas notas explicativas para esclarecimentos a respeito da utilização do superávit financeiro e sua influência no resultado orçamentário, de forma a possibilitar a correta interpretação das informações. 2.2 ESTRUTURA

13

EXERCÍCIO:

MÊS:

RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS RECEITAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES Contribuições Sociais Contribuições Econômicas RECEITA PATRIMONIAL Receitas Imobiliárias Receitas de Valores Mobiliários Receita de Concessões e Permissões Outras Receitas Patrimoniais RECEITA AGROPECUÁRIA Receita da Produção Vegetal Receita da Produção Animal e Derivados Outras Receitas Agropecuárias RECEITA INDUSTRIAL Receita da Indústria de Transformação Receita da Indústria de Construção Outras Receitas Industriais RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS CORRENTES Multas e Juros de Mora Indenizações e Restituições Receita da Dívida Ativa Receitas Correntes Diversas RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de Crédito Internas Operações de Crédito Externas ALIENAÇÃO DE BENS Alienação de Bens Móveis Alienação de Bens Imóveis AMORTIZAÇÕES DE EMPRÉSTIMOS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Outras Instit. Públicas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL Integralização do Capital Social Dív. Ativa Prov. da Amortiz. Emp. e Financ. Restituições Receitas de Capital Diversas RECEITAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (II) SUBTOTAL DAS RECEITAS (III) = (I + II) OPERAÇÕES DE CRÉDITO/ REFINANCIAMENTO (IV) Operações de Crédito Internas Mobiliária Contratual Operações de Crédito Externas Mobiliária Contratual SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (V) = (III + IV) DÉFICIT (VI) TOTAL (VII) = (V + VI) SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES (UTILIZADOS PARA CRÉDITOS ADICIONAIS)

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EMISSÃO: PREVISÃO PREVISÃO INICIAL ATUALIZADA (a)

– –



RECEITAS REALIZADAS (b)

PÁGINA: SALDO (a-b)

– – –

13

14

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

DOTAÇÃO CRÉDITOS DOTAÇÃO DESPESAS INICIAL ADICIONAIS ATUALIZADA EMPENHADAS

DESPESAS LIQUIDADAS

INSCRIÇÃO EM RP NÃO PROCESSADOS

SALDO DA DOTAÇÃO

(h)

(i)=(g--h)

(j)=(f-g)

-



-

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS

DESPESAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (VIII) DESPESAS CORRENTES PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA OUTRAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL INVESTIMENTOS INVERSÕES FINANCEIRAS AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DO RPPS DESPESAS (INTRAORÇAMENTÁRIAS) (IX) SUBTOTAL DAS DESPESAS (X) = (VIII + IX) AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA/ REFINANCIAMENTO (XI) Amortização da Dívida Interna Dívida Mobiliária Outras Dívidas Amortização da Dívida Externa Dívida Mobiliária Outras Dívidas SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (XII) = (X + XI) SUPERÁVIT (XIII) TOTAL (XIV) = (XII + XIII)

(d)

(e)

(f)=(d+e)







(g)

Para levantamento do Balanço, é necessário se definir os seguintes conceitos: 2.2.1 Previsão Inicial Identifica os valores da previsão inicial das receitas, constantes na Lei Orçamentária Anual LOA. Os valores registrados nessa coluna permanecerão inalterados durante todo o exercício, pois deverão refletir a posição inicial do orçamento constante da LOA. As atualizações monetárias autorizadas por lei, efetuadas até a data da publicação da LOA, deverão compor a coluna, sendo mencionadas em notas explicativas. 2.2.2 Previsão Atualizada Identifica os valores da previsão atualizada das receitas para o exercício de referência, que deverão refletir a parcela da reestimativa da receita utilizada para abertura de créditos adicionais, seja mediante excesso de arrecadação ou mediante operações de crédito, as novas naturezas de receita não previstas na LOA e o remanejamento entre naturezas de receita. Se não ocorrer nenhum dos eventos mencionados, a coluna da previsão atualizada deverá identificar os mesmos valores da coluna previsão inicial. As atualizações monetárias autorizadas por lei, efetuadas após a data da publicação da LOA, deverão compor a coluna, sendo mencionadas em notas explicativas. 2.2.3 Receitas Realizadas Identifica as receitas realizadas no período. Consideram-se realizadas as receitas arrecadadas diretamente pelo órgão, ou por meio de outras instituições como, por exemplo, a rede bancária.

15

2.2.4 Dotação Inicial Identifica o valor dos créditos iniciais constantes da Lei Orçamentária Anual. 2.2.5 Créditos Adicionais Identifica os créditos adicionais abertos e ou reabertos durante o exercício, deduzidas as anulações/cancelamentos correspondentes. 2.2.6 Dotação Atualizada Identifica o valor da dotação inicial mais os créditos adicionais abertos ou reabertos durante o exercício, deduzidas as anulações/cancelamentos correspondentes. É a soma da coluna DOTAÇÃO INICIAL (d) com a coluna CRÉDITOS ADICIONAIS (e). 2.2.7 Despesas Empenhadas Identifica os valores das despesas empenhadas no bimestre e as acumuladas até o bimestre de referência. O empenho de despesa é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição. Corresponde à primeira fase da execução da despesa. 2.2.8 Despesas Liquidadas Identifica os valores das despesas liquidadas no bimestre e as acumuladas até o bimestre de referência, bem como o percentual das despesas liquidadas até o final do bimestre em relação à dotação atualizada. Deverão ser consideradas, inclusive, as despesas que já foram pagas. A liquidação é o segundo estágio da execução da despesa, que consiste na verificação do direito adquirido pelo credor, tendo por base os títulos e documentos comprobatórios da entrega do material ou serviço. Consideram-se Restos a Pagar as despesas empenhadas mas não pagas até o dia 31 de dezembro distinguindo-se as processadas das não processadas. Durante o exercício, não deverão ser incluídos os valores das despesas empenhadas que ainda não foram liquidadas. No encerramento do exercício, as despesas empenhadas, não liquidadas e inscritas em restos a pagar não-processados deverão compor, em função do empenho legal, o total das despesas liquidadas. Portanto, durante o exercício, são consideradas despesas executadas apenas as despesas liquidadas e, no encerramento do exercício, são consideradas despesas executadas as despesas liquidadas e as inscritas em restos a pagar não-processados. 2.2.9 Saldos de exercícios anteriores Identifica o valor de recursos provenientes de superávit financeiro de exercícios anteriores, identificados no Balanço Patrimonial do exercício anterior ao de referência, que está sendo utilizado como fonte de recursos para abertura de créditos adicionais. Deverá demonstrar, também, os valores referentes aos créditos adicionais autorizados nos últimos quatro meses do exercício anterior ao de

15

16

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

referência, reabertos no exercício corrente. Apresentará valores somente nas colunas que se referem à previsão atualizada e à receita realizada e deverão corresponder ao valor da execução dos referidos créditos adicionais. Inclui, ainda o saldo da reserva do RPPS utilizado no exercício. As receitas arrecadadas e classificadas no exercício anterior ao de referência, portanto, pertencentes àquele exercício, que constaram do superávit financeiro identificado no Balanço Patrimonial do ente, e que serviram de fonte de financiamento de abertura e reabertura de créditos adicionais no exercício atual, devem ter seus valores identificados nessa linha, no montante equivalente aos créditos autorizados e executados. 2.3 ANÁLISE A análise e a verificação do Balanço Orçamentário tem como fator predominante preparar os indicadores que servirão de suporte para a avaliação da gestão orçamentária. Uma das principais análises consiste em relacionar a coluna de Previsão Inicial com a coluna de Dotação Inicial; e as colunas da Previsão Atualizada e Receita Realizada, com as colunas da Dotação Atualizada e Despesa Executada. O superávit orçamentário é representado pela diferença a maior entre a execução da Receita e da Despesa e deverá ser adicionada à coluna de Execução da Despesa para igualar com a Execução da Receita. O déficit orçamentário é representado pela diferença a menor entre a execução da Receita e da Despesa e deverá ser adicionada à coluna da Execução da Receita para igualar com o total da Execução da Despesa. Na receita, pode-se verificar ainda uma diferença a maior ou a menor entre a coluna Previsão Atualizada e a coluna Realização, correspondente a insuficiência ou excesso de arrecadação ocorrido no exercício. Na despesa, a diferença a maior entre a coluna “Dotação Atualizada” e a coluna “Execução” corresponde a uma economia na realização de despesa. A receita, por ser prevista, pode ser arrecadada a maior ou a menor. Entretanto, a despesa, por ser fixada, só pode ser realizada até o valor autorizado, significando que somente pode ser emitido empenho até o valor do crédito orçamentário disponível, observando-se, ainda, a especificidade do orçamento. A comparação entre Previsão/Dotação e a Execução pode indicar as seguintes situações: a) Receita Prevista > Receita Arrecadada, demonstra que houve insuficiência de arrecadação; b) Receita Prevista < Receita Arrecadada, demonstra que houve excesso de arrecadação; c) Despesa Fixada > Despesa Realizada, demonstra economia na realização de despesas; d) Despesa Fixada < Despesa Realizada, demonstra que houve excesso de despesas (situação de inconsistência);

17

e) Receita Arrecadada > Despesa Realizada, demonstra que houve superávit orçamentário; f) Receita Corrente Arrecadada > Despesa Corrente Realizada, demonstra que houve superávit corrente; g) Receita de Capital Arrecadada > Despesa de Capital Realizada, demonstra que houve superávit de capital; h) Receita Corrente Arrecadada < Despesa Corrente Realizada, demonstra que houve déficit corrente; i) Receita de Capital Arrecadada < Despesa de Capital Realizada, demonstra que houve déficit de capital; j) Receita Arrecadada < Despesa Realizada, demonstra que houve déficit orçamentário; e l) Receita Arrecadada = Despesa realizada, demonstra o equilíbrio orçamentário na execução. 2.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO A avaliação da execução do orçamento público é extremamente importante para a formulação de opinião acerca da condução da política fiscal. Dessa forma, formulam-se opiniões a respeito de que grau a gestão das finanças públicas promove o equilíbrio fiscal e contribui para que o endividamento público esteja em níveis aceitáveis. Deve-se determinar também de que forma o equilíbrio ou desequilíbrio fiscal é impactado pelo nível e eficiência da arrecadação e pela execução de despesas públicas de pessoal, custeio, investimentos e de encargos da dívida pública. É interessante observar que o Balanço Orçamentário é útil, ainda, para a avaliação do cumprimento da “regra de ouro” estabelecida pela Constituição Federal de 1.988, a qual se destaca: “Art. 167. São vedados: (...) III - a realização de operações de créditos que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa, aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;” (Constituição Federal de 1988)

A avaliação também se refere a julgar o nível dos objetivos alcançados em relação aos fixados no orçamento e as modificações nele ocorridas durante a execução. A eficiência com que se realizam as ações empregadas, em comparação com a meta física atingida permite inferir o grau de racionalidade na utilização dos recursos correspondentes. Não se pode avaliar apenas “a posteriori”. A avaliação deve ser ativa, desempenhar um papel importante como orientadora da execução e permitir a fixação das futuras programações em bases consistentes.

17

18

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

A avaliação impõe a necessidade de um sistema estatístico cuja informação básica se obtém nos órgãos e entidades. De posse dos dados podem-se elaborar tabelas, calcular indicadores e apresentar informes periódicos para uso e tomada de decisões por parte dos gestores. Nos casos de déficit ou superávit referentes à execução orçamentária, pode-se observar o seguinte: a) se a execução da receita apresentar-se menor que a execução da despesa, pode-se deduzir que o superávit financeiro do exercício anterior deve ter sido utilizado no corrente exercício; b) se a execução da receita apresentar-se maior que a da despesa, a avaliação poderá afirmar que houve um excesso de arrecadação que não foi utilizado no corrente exercício.

3 BALANÇO FINANCEIRO 3.1 CONCEITO Segundo a Lei 4.320/64, o Balanço Financeiro demonstra os ingressos (entradas) e dispêndios (saídas) de recursos financeiros a título de receitas e despesas orçamentárias, bem como os recebimentos e pagamentos de natureza extra-orçamentária, conjugados com os saldos de disponibilidades do exercício anterior e aqueles que passarão para o exercício seguinte. Assim, o Balanço Financeiro é um quadro com duas seções: Ingressos (Ingressos Orçamentários e Extra-Orçamentários) e Dispêndios (Dispêndios Orçamentários e ExtraOrçamentários), que se equilibram com a inclusão das Disponibilidades do Período Anterior na Seção dos Ingressos, e as disponibilidades para o período seguinte na Seção dos Dispêndios. O resultado financeiro do exercício corresponde à diferença entre o somatório dos ingressos orçamentários com os extra-orçamentários e dos dispêndios, orçamentários com os extraorçamentários. Se os ingressos forem maiores que os dispêndios, ocorrerá um superávit; caso contrário, ocorrerá um déficit. Este resultado não deve ser entendido como superávit ou déficit financeiro do exercício, cuja apuração é obtida através do Balanço Patrimonial. O resultado financeiro do exercício pode ser também apurado pela diferença entre as disponibilidades para o exercício seguinte e as disponibilidades do exercício anterior. O Balanço Financeiro evidencia a movimentação financeira das entidades do setor público no período a que se refere, e discrimina: (a) a receita orçamentária realizada por destinação de recurso; (b) a despesa orçamentária executada por destinação de recurso; (c) os recebimentos e os pagamentos extra-orçamentários; (d) as transferências ativas e passivas decorrentes, ou não, da execução orçamentária; e (e) o saldo inicial e o saldo final das disponibilidades. Deverão ser apresentadas as vinculações nas áreas de saúde, educação, previdência social e outras vinculações legais, além da destinação ordinária, de maneira que o grupo de “Outras Vinculações” não ultrapasse 10% do total da Receita Orçamentária ou Despesa Orçamentária.

19

3.2 ESTRUTURA

EXERCÍCIO:

BALANÇO FINANCEIRO EMISSÃO:

MÊS:

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

PÁGINA:

DISPÊNDIOS Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Receita Orçamentária

Despesa Orçamentária

Ordinária Vinculada Saúde Educação Previdência Social Transferências obrigatórias de outro ente Convênios Dívida Pública Outras Vinculações

Ordinária Vinculada Saúde Educação Previdência Social Transferências obrigatórias de outro ente Convênios Dívida Pública Outras Vinculações

Exercício Atual

Exercício Anterior

Deduções da Receita

Recebimentos ExtraOrçamentários

Pagamentos Orçamentários

Extra-

Transferências Financeiras Recebidas

Transferências Financeiras Concedidas

Disponível do Exercício Anterior

Disponível p/ o Exercício Seguinte

TOTAL

TOTAL

3.2.1 Definições Para o levantamento do Balanço Financeiro, é necessário definir os seguintes conceitos: 3.2.1.1 DESTINAÇÃO ORDINÁRIA É o processo de alocação livre entre a origem e a aplicação de recursos, para atender a quaisquer finalidades. 3.2.1.2 DESTINAÇÃO VINCULADA É o processo de vinculação entre a origem e a aplicação de recursos, em atendimento às finalidades específicas estabelecidas pela norma.

19

20

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

3.2.1.3 TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS RECEBIDAS Reflete a movimentação de recursos financeiros entre Órgãos e Entidades da Administração Direta e Indireta. Podem ser Orçamentárias ou Extra-Orçamentárias. Aquelas efetuadas em cumprimento à execução do Orçamento são as cotas, repasses e sub-repasses. Aquelas que não se relacionam com o Orçamento em geral decorrem da transferência de recursos relativos aos restos a pagar. Esses valores, quando observados os demonstrativos consolidados, são compensados pelas Transferências Financeiras Concedidas. 3.2.1.4 TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS CONCEDIDAS Reflete a movimentação de recursos financeiros entre Órgãos e Entidades da Administração Direta e Indireta. Podem ser Orçamentárias ou Extra-Orçamentárias e são a contrapartida das Transferências Financeiras Recebidas. 3.2.1.5 RECEBIMENTOS EXTRA-ORÇAMENTÁRIOS Nesse grupo temos os ingressos não previstos no orçamento, que serão restituídos em época própria, por decisão administrativa ou sentença judicial. Consistem, por exemplo, em: - ingresso de recursos que se constituem obrigações relativas a consignações em folha, fianças, cauções, etc; e - inscrição de restos a pagar, com a função de compensar o valor da despesa orçamentária imputada como realizada, porém não paga no exercício da emissão do empenho, em atendimento ao parágrafo único do artigo 103 da Lei nº 4.320/1964. 3.2.1.6 PAGAMENTOS EXTRA-ORÇAMENTÁRIOS Nesse grupo temos pagamentos que não precisam se submeter ao processo de execução orçamentária, como: - aos relativos a obrigações que representaram ingressos orçamentários (ex. devolução de depósitos); e - aos restos a pagar do exercício inscritos em exercícios anteriores. 3.2.1.7 DISPONIBILIDADE Compreende o numerário em espécie e depósitos bancários disponíveis, além das aplicações financeiras de curto prazo, de liquidez imediata, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. Inclui, ainda, a receita orçamentária arrecadada que se encontra em poder da rede bancária em fase de recolhimento. 3.3 ANÁLISE A análise e a verificação do Balanço Financeiro tem como objetivo predominante preparar os indicadores que servirão de suporte para a avaliação da gestão financeira.

21

As informações sobre o fluxo de recursos das disponibilidades são úteis para que os usuários possam tomar decisões que irão influenciar o fluxo de caixa da entidade. Possibilita, ainda, mensurar se o disponível é suficiente para pagar os bens e serviços adquiridos e contratados e ainda satisfazer os gastos de manutenção. A análise do Balanço Financeiro permite, ainda, a verificação da execução da despesa com as principais vinculações face às respectivas receitas. 3.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO

A avaliação da gestão consiste, dentre outros, em observar a necessidade de existência de recursos nas disponibilidades para o exercício seguinte, destinados aos pagamentos das despesas não pagas no exercício anterior, notadamente quanto aos valores inscritos em restos a pagar. Além disso, deve-se analisar a liquidez da entidade, de forma a se prevenir possível insolvência futura. A movimentação dos recursos referentes ao Balanço Financeiro pode ser sintetizada pela seguinte equação: saldo inicial (anterior) + entradas (ingressos orçamentários e extra-orçamentários) - saídas (dispêndios orçamentários e extra-orçamentários) = saldo atual. A avaliação da gestão financeira é realizada a partir da correspondência dos valores do Balanço Financeiro com os índices percentuais que possibilitem a análise do seu conteúdo sob o enfoque gerencial.

4 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS 4.1 CONCEITO Segundo a Lei nº 4.320/64, artigo 104, a Demonstração das Variações Patrimoniais evidenciará as alterações verificadas no patrimônio, resultantes ou independentes da execução orçamentária, e indicará o resultado patrimonial do exercício. As alterações verificadas no patrimônio consistem nas variações quantitativas e qualitativas. As variações quantitativas são decorrentes de transações no setor público que aumentam ou diminuem o patrimônio líquido. Já as variações qualitativas são decorrentes de transações no setor público que alteram a composição dos elementos patrimoniais sem afetar o patrimônio líquido. O resultado patrimonial do período é apurado pelo confronto entre as variações patrimoniais quantitativas ativas e passivas. Para um melhor entendimento da finalidade desse demonstrativo, podemos dizer que ele tem função semelhante à Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) da área privada, qual seja a de apurar as alterações verificadas no patrimônio, acrescendo-se a isso o fato de a DRE tratar apenas as variações quantitativas, enquanto que a DVP trata das variações quantitativas e qualitativas.

21

22

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

É importante ressaltar também que a DRE apura o resultado em termos de lucro ou prejuízo líquido, como um dos principais indicadores de desempenho da empresa. Já no setor público, o resultado patrimonial não é um indicador de desempenho, mas um medidor do quanto a atividade estatal proporciona alterações quantitativas e qualitativas no patrimônio.

4.2 ESTRUTURA

23

EXERCÍCIO:

DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS MÊS: EMISSÃO:

PÁGINA:

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS Exercício Atual

Exercício Anterior

Tributárias

X

X

Contribuições

X

X

Serviços e Exploração de Bens

X

X

Transferências

X

X

Outras

X

X

Total das Variações Ativas Operacionais

X

X

Pessoal e Encargos

X

X

Benefícios Sociais

X

X

Uso de Bens e Serviços

X

X

Transferências

X

X

Outras

X

X

Total das Variações Passivas Operacionais

X

X

Superávit/(déficit) das atividades operacionais

X

X

(X)

(X)

Ganhos e Perdas Não Operacionais

X

X

Resultado da Equivalência Patrimonial

X

X

Variações Ativas Operacionais

Variações Passivas Operacionais

Resultado Financeiro Líquido

Superávit/(déficit) Patrimonial do Período X VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Incorporação de Ativos Não-Financeiros X

X

Desincorporação de Passivos Não-Financeiros

X

X

Incorporação de Passivos Não-Financeiros

X

X

Desincorporação de Ativos Não-Financeiros

X

X

X

23

24

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

A Demonstração deverá ser apresentada utilizando-se o terceiro nível do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público – PCASP. 4.2.1 Variações Quantitativas As variações quantitativas são aquelas decorrentes de transações no setor público que aumentam ou diminuem o patrimônio líquido e são divididas em variações patrimoniais ativas e passivas. As VARIAÇÕES ATIVAS OPERACIONAIS compreendem os seguintes grupos de contas: 4.2.1.1 TRIBUTÁRIAS Compreende Registra o somatório da variação patrimonial ativa/receita decorrente de impostos, taxas e contribuições de melhoria. Compreende: impostos sobre importação de produtos estrangeiros, exportação de produtos nacionais, rendas e proventos de qualquer natureza, produtos industrializados, propriedade territorial rural, grandes fortunas, propriedade predial e territorial urbana, transmissão causa mortis e doação, circulação de mercadorias e prestação de serviços, serviços de qualquer natureza, entre outros. 4.2.1.2 CONTRIBUIÇÕES Registra o somatório da variações patrimoniais ativas/receitas de contribuições sociais, de intervenção no domínio econômico e de interesse das categorias profissionais ou econômicas como instrumento de intervenção nas respectivas áreas. Compreende: contribuições previdenciárias, contribuição para o financiamento da seguridade social, contribuições sobre a receita de concurso de prognósticos, contribuição para o "Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público", entre outras. 4.2.1.3 SERVIÇOS E EXPLORAÇÃO DE BENS Representa o somatório da variações patrimoniais ativas/receita industriais compostas de: receita de produção vegetal, animal e derivados, decorrentes das atividades ou explorações agropecuárias; receita da indústria de extração mineral, de transformação, de construção e outros; receita originária da prestação de serviços, tais como: atividades comerciais, de transporte, de comunicação, de saúde, de armazenagem, serviços científicos e tecnológicos, de metrologia, agropecuários e etc, e; de remuneração pela exploração de bens como alugueis, royalties, entre outras. 4.2.1.4 TRANSFERÊNCIAS Representa o somatório das variações patrimoniais ativas/receitas com transferências intergovernamentais (interferências) e intragovernamentais para entes governamentais, instituições multigovernamentais, instituições privadas com ou sem fins lucrativos e transferências ao exterior, além de subvenções socias, subvenções econômicas e doações recebidas. 4.2.1.5 OUTRAS

25

Representa o somatório das demais variações patrimoniais ativas/receitas não incluídas nos grupos anteriores. Compreende: reavaliação, ganho na alienação de ativos, ganhos na variação cambial, resultado positivo a equivalência patrimonial, cancelamento de passivos, reversão de provisões, recuperação de despesas, multas (exceto tributária), entre outras. As VARIAÇÕES PASSIVAS OPERACIONAIS compreendem os seguintes grupos de contas: 4.2.1.6 PESSOAL E ENCARGOS Representa o somatório das variações patrimoniais passivas/despesas de natureza salarial decorrentes do exercício efetivo do cargo ou do emprego público, quer seja civil ou militar, função de confiança, bem como as obrigações trabalhistas e os benefícios de responsabilidade do empregador incidentes sobre a folha de salários. Compreende: salários, remunerações, gratificações, funções, 1/3 de férias, décimo terceiro salário, encargos patronais, entre outros. (as despesas com aposentadorias, reformas e pensões serão registradas em grupo específico denominado "Despesas de Benefícios Sociais"). 4.2.1.7 BENEFÍCIOS SOCIAIS Representa o somatório das variações patrimoniais passivas/despesas com benefícios previdenciários e assistenciais. Compreende: aposentadorias, pensões, reformas, benefícios de assistenciais, programas sociais tais como, Programa Fome Zero, Prouni, Farmácia Popular, Luz para Todos, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, bolsas, auxílios, entre outros. 4.2.1.8 USO DE BENS E SERVIÇOS Representa o somatório das variações patrimoniais passivas/despesas com manutenção e operação da máquina pública, exceto despesas com pessoal e encargos que serão registradas em grupo específico (Despesas de Pessoal e Encargos). Compreende: diárias, material de consumo, material de distribuição gratuita, passagens e despesas com locomoção, serviços de terceiros, arrendamento mercantil operacional, aluguel, depreciação, amortização, exaustão, entre outras. 4.2.1.9 TRANSFERÊNCIAS Representa o somatório das variações patrimoniais passivas/despesas com transferências intergovernamentais e intragovernamentais para entes governamentais, instituições multigovernamentais, instituições privadas com ou sem fins lucrativos e transferências ao exterior, compreende subvenções sociais, subvenções econômicas e doações concedidas. 4.2.1.10 OUTRAS Representa o somatório das variações patrimoniais passivas/demais despesas não incluídas nos grupos anteriores e que não compreendem despesas não operacionais. As variações ativas e passivas não operacionais compreendem os seguintes grupos de contas:

25

26

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

4.2.1.11 RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO Representa o somatório das variações patrimoniais passivas com operações financeiras. Compreende: juros incorridos, descontos concedidos, comissões e despesas bancárias, correções monetárias, remunerações de depósitos, entre outras. São deduzidas das receitas financeiras. 4.2.1.12 GANHOS/PERDAS NÃO OPERACIONAIS Compreende reavaliação ou ajuste ao valor recuperável, ganho ou perda na alienação de ativos nãofinanceiros, além dos sinistros como incêndio e inundações. . 4.2.1.13 RESULTADO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL Consiste no resultado positivo ou negativo da equivalência patrimonial das empresas e outras entidades, em conformidade com a legislação aplicável. 4.2.2 Variações Qualitativas Correspondem às variações qualitativas decorrentes da execução orçamentária que consistem em incorporação de ativos não-financeiros, desincorporação de passivos não-financeiros, desincorporação de ativos não-financeiros e incorporação de passivos não-financeiros. Para fins da Demonstração das Variações Patrimoniais, considerar-se-ão apenas as decorrentes das receitas e despesas de capital. 4.3 ANÁLISE Pela demonstração, deve-se avaliar o resultado patrimonial, que é afetado tanto por fatos orçamentários quanto extra-orçamentários, observando os itens mais relevantes que interferiram no superávit ou déficit patrimonial.

A comparação entre variações quantitativas ativas e passivas pode indicar as seguintes situações: a) variações quantitativas ativas > variações quantitativas passivas = superávit patrimonial; b) variações quantitativas ativas < variações quantitativas passivas = déficit patrimonial; e c) variações quantitativas ativas = variações quantitativas passivas = resultado patrimonial nulo. 4.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO A avaliação de gestão, a partir da Demonstração das Variações Patrimoniais, tem o objetivo de apurar o quanto e que de forma a atividade estatal influenciou nas alterações patrimoniais do setor público.

27

5 BALANÇO PATRIMONIAL 5.1 CONCEITO O Balanço Patrimonial é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de duas colunas, que compreendem as contas representativas de bens, direitos, obrigações e o patrimônio líquido ou saldo patrimonial da instituição pública, alem das contas de compensação, conforme as seguintes definições: (a) Ativo - compreende as disponibilidades, os direitos e os bens, tangíveis ou intangíveis adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelo setor público, que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerentes à prestação de serviços públicos; (b) Passivo - compreende as obrigações assumidas pelas entidades do setor público para consecução dos serviços públicos ou mantidas na condição de fiel depositário, bem como as contingências e as provisões; (c) Patrimônio Líquido - representa a diferença entre o Ativo e o Passivo; (d) Contas de Compensação - compreende os atos que possam vir a afetar o patrimônio. No Patrimônio Líquido, deve ser evidenciado o resultado do período segregado dos resultados acumulados de períodos anteriores. A classificação dos elementos patrimoniais considera a segregação em "circulante" e "não circulante", com base em seus atributos de conversibilidade e exigibilidade. Os ativos devem ser classificados como "circulante" quando satisfizerem a um dos seguintes critérios: (a) estarem disponíveis para realização imediata; (b) tiverem a expectativa de realização até o término do exercício seguinte. Os demais ativos devem ser classificados como não circulante. Os passivos devem ser classificados como circulante quando satisfizerem um dos seguintes critérios: (a) corresponderem a valores exigíveis até o final do exercício seguinte; (b) corresponderem a valores de terceiros ou retenções em nome deles, quando a entidade do setor público for a fiel depositária, independentemente do prazo de exigibilidade. Os demais passivos devem ser classificados como não circulante. As contas do ativo devem ser dispostas em ordem decrescente de grau de conversibilidade; as contas do passivo, em ordem decrescente de grau de exigibilidade. A Lei nº 4.320/1.964, artigo 105, confere viés orçamentário ao Balanço Patrimonial, já que separa o Ativo e Passivo em dois grandes grupos em função da dependência ou não de autorização orçamentária para realização dos itens que o compõem: “O Balanço Patrimonial demonstrará: I - O Ativo Financeiro;

27

28

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

II - O Ativo Permanente; III - O Passivo Financeiro; IV - O Passivo Permanente; V - O Saldo Patrimonial; VI - As Contas de Compensação. § 1º O Ativo Financeiro compreenderá os créditos e valores realizáveis independentemente de autorização orçamentária e os valores numerários. § 2º O Ativo Permanente compreenderá os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou alienação dependa de autorização legislativa. § 3º O Passivo Financeiro compreenderá as dívidas fundadas e outros pagamento independa de autorização orçamentária. § 4º O Passivo Permanente compreenderá as dívidas fundadas e outras que dependam de autorização legislativa para amortização ou resgate. § 5º Nas contas de compensação serão registrados os bens, valores, obrigações e situações não compreendidas nos parágrafos anteriores e que, imediata ou indiretamente, possam vir a afetar o patrimônio.” (Lei nº 4.320/1.964) Dizemos que o Balanço Patrimonial é estático, pois apresenta a posição patrimonial em determinado momento, funcionando como uma “fotografia” do patrimônio da entidade para aquele momento.

29

5.2 ESTRUTURA EXERCÍCIO:

MÊS:

BALANÇO PATRIMONIAL EMISSÃO:

ATIVO ESPECIFICAÇÃO

PÁGINA: PASSIVO

Exercício Atual

Exercício Anterior

ATIVO CIRCULANTE Disponível Créditos em Circulação Bens e Valores em Circulação Valores Pendentes a Curto Prazo Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Dívida Ativa ATIVO NÃO-CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Investimento Imobilizado

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Exercício Anterior

PASSIVO CIRCULANTE Depósitos Obrigações em Circulação

PASSIVO NÃO-CIRCULANTE Obrigações Exigíveis a Longo Prazo TOTAL DO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Exercício Anterior

Exercício Atual

Exercício Anterior

Patrimônio/Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ações em Tesouraria Resultados Acumulados

TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL

TOTAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO PERMANENTE SALDO PATRIMONIAL

PASSIVO FINANCEIRO PASSIVO PERMANENTE

Compensações

ESPECIFICAÇÃO

COMPENSAÇÕES DO ATIVO Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens Garantias e Contragarantias de Valores Direitos e Obrigações Conveniados Direitos e Obrigações Contratuais Outras Compensações

Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

COMPENSAÇÕES DO PASSIVO Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens Garantias e Contragarantias de Valores Direitos e Obrigações Conveniados Direitos e Obrigações Contratuais Outras Compensações

O Balanço Patrimonial deverá ser apresentado utilizando-se o quarto nível do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público – PCASP, com exceção do Patrimônio Líquido, que deverá ser apresentado utilizando-se o segundo nível e das compensações, que serão apresentadas utilizando-se o terceiro nível. Os ativos e passivos financeiros e permanentes e o saldo patrimonial serão apresentados pelos seus valores totais.

29

30

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

5.2.1 Anexo ao Balanço patrimonial - demonstrativo do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial Como anexo ao Balanço Patrimonial, deverá ser elaborado o demonstrativo do superávit financeiro apurado no Balanço Patrimonial do exercício anterior, que corresponde à diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro, conjugando-se, ainda, os saldos dos créditos adicionais transferidos e as operações de credito a eles vinculadas, que é uma das fontes para abertura de crédito adicional, segundo o artigo 43 da Lei nº 4.320/64. O parágrafo único do artigo 8º e o artigo 50 da Lei Complementar nº 101/2000 – Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece: “Art. 8º – Parágrafo único. Os recursos legalmente vinculados a finalidade específica serão utilizados exclusivamente para atender ao objeto de sua vinculação, ainda que em exercício diverso daquele em que ocorrer o ingresso.” “Art. 50 – Além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas observará as seguintes: I – a disponibilidade de caixa constará de registro próprio, de modo que os recursos vinculados a órgão, fundo ou despesa obrigatória fiquem identificados e escriturados de forma individualizada;” (Lei Complementar 101/2000)

Para atendimento desses mandamentos legais, existe o mecanismo denominado DESTINAÇÃO DE RECURSOS (DR) ou FONTE DE RECURSOS (FR). Ela identifica se os recursos são vinculados ou não e, no caso dos vinculados, indica a sua finalidade, o que poderá ser verificado por este demonstrativo. Nesse anexo, podem ser apresentadas algumas fontes com déficit outras com superávit financeiro, de maneira que o total seja igual ao superávit financeiro apurado no balanço patrimonial do exercício.

DEMONSTRATIVO DO SUPERÁVIT FINACEIRO APURADO NO BALANÇO PATRIMONIAL EXERCÍCIO: MÊS: EMISSÃO: PÁGINA: SUPERÁVIT FONTE DE RECURSOS FINANCEIRO

TOTAL

5.2.2 Definições 5.2.2.1 ATIVO CIRCULANTE

31

Compreende as disponibilidades de numerário, bem como outros bens e direitos pendentes ou em circulação, realizáveis até o término do exercício seguinte, bem como as aplicações de recursos em despesas do exercício seguinte. O Ativo Circulante é dividido da seguinte maneira: a)

b)

c) d) e)

f)

Disponível - registra o somatório dos valores em caixa e em bancos, bem como equivalentes, que representam recursos com livre movimentação para aplicação nas operações da unidade e para os quais não haja restrições para uso imediato. Créditos em circulação - Registra os direitos realizáveis ate o termino do exercício seguinte, assim como os derivados de vendas, adiantamentos, empréstimos, valores em transito e outros. Bens e Valores em Circulação - registram o somatório dos valores dos estoques, títulos e valores, materiais em trânsito e demais em circulação. Valores Pendentes a Curto Prazo – registra os custos e despesas pagos antecipadamente e os valores diferidos. Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência - representa os valores aplicados pelo regime próprio destinados a cobertura das obrigações previdenciárias Dívida Ativa - Registra os direitos realizáveis ate o termino do exercício seguinte, referente a divida ativa do ente. Os direitos de dívida ativa realizáveis após o término do exercício seguinte são classificados no ativo não-circulante – realizável a longo prazo.

5.2.2.2 ATIVO NÃO-CIRCULANTE Compreende os demais ativos não classificados como circulante segregado em ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível, conforme segue: a)

Ativo Realizável a Longo Prazo – representa os direitos realizáveis após o término do exercício seguinte. b) Investimento - representa as participações permanentes em outras sociedades e os direitos de qualquer natureza, não classificáveis no ativo circulante, e que não se destinem à manutenção da atividade da companhia ou da entidade. c) Imobilizado - Representa o conjunto de bens e direitos não destinados à transformação direta em meios de pagamento e cuja perspectiva de permanência na entidade ultrapasse um exercício. d) Intangível - Representa os direitos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da companhia ou exercidos com essa finalidade, inclusive o fundo de comércio adquirido.

5.2.2.3 PASSIVO CIRCULANTE Representa as obrigações conhecidas e os encargos estimados, cujos prazos estabelecidos ou esperados situem-se no curso do exercício subseqüente à data do balanço patrimonial , dividido da seguinte forma: a)

b)

depósitos - Compreende os débitos, independentemente do prazo de exigibilidade, relativos a recebimentos a titulo de depósitos, consignações em folha, cauções e outros. Obrigações em circulação - Compreende os compromissos assumidos, exigíveis ate o termino do exercício seguinte, representados por obrigações a pagar,

31

32

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

credores – entidades e agentes, empréstimos e financiamentos, adiantamentos recebidos, valores.

5.2.2.4 PASSIVO NÃO-CIRCULANTE Compreende os demais passivos não classificados como circulante. a)

Obrigações exigíveis a longo prazo - registra as obrigações exigíveis após o término do exercício seguinte, classificados nos elementos obrigações de credito internas, operações de crédito externas, obrigações legais e tributárias, obrigações a pagar e outras operações exigíveis.

5.2.2.5 PATRIMÔNIO LÍQUIDO / SALDO PATRIMONIAL Compreende os recursos próprios da Entidade, dividido em capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucros, ações em tesouraria e prejuízos acumulados. Seu valor é a diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do Passivo. Quando o valor do Passivo for maior que o valor do Ativo, o resultado é denominado Passivo a Descoberto. Portanto, a expressão Patrimônio Líquido deve ser substituída por Passivo a Descoberto. Seguem as definições: a) b) c)

d) e) f)

Patrimônio/Capital Social - Registra o resultado patrimonial dos órgãos da administração direta bem como o capital dos órgãos da administração indireta. Reservas de Capital - Compreende os valores acrescidos ao patrimônio que não transitaram pelo resultado como receitas. Ajustes de Avaliação Patrimonial – Registra as contrapartidas de aumentos ou diminuições de valor atribuídos a elementos do ativo e do passivo, em decorrência da sua avaliação a valor justo, enquanto não computadas no resultado do exercício em obediência ao regime de competência. Reservas de Lucros - Compreendem parcelas do resultado positivo das entidades, retidas com finalidades especificas. Ações em Tesouraria – Registra o valor do custo de aquisição das ações da empresa que foram emitidas e adquiridas pela própria companhia. Resultados Acumulados – Registra o valor dos resultados acumulados do setor público e das empresas.

5.2.2.6 ATIVO FINANCEIRO Compreende os créditos e valores realizáveis independentemente de autorização orçamentária e os valores numerários.

5.2.2.7 ATIVO PERMANENTE Compreender os bens, créditos e valores, cuja mobilização ou alienação dependa de autorização legislativa. 5.2.2.8 PASSIVO FINANCEIRO

33

Compreende as dívidas fundadas e outros compromissos exigíveis cujo pagamento independa de autorização orçamentária, como os restos a pagar, os serviços da dívida a pagar, os depósitos e os débitos de tesouraria (operações de crédito por antecipação de receita).

5.2.2.9 PASSIVO PERMANENTE Compreende as dívidas fundadas e outras que dependam de autorização legislativa para amortização ou resgate. 5.2.2.10 CONTAS DE COMPENSAÇÃO São contas representativas dos atos que possam vir a afetar o patrimônio, compreendendo as compensações do ativo e do passivo: a)

b)

Atos Potenciais do ativo - Compreende contas relacionadas às situações não compreendidas no patrimônio, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, exclusive as que dizem respeito a atos e fatos ligados à execução orçamentária e financeira e as contas com função precípua de controle. Atos Potenciais do passivo - Compreende contas relacionadas às situações não compreendidas no patrimônio, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, exclusive as que dizem respeito a atos e fatos ligados à execução orçamentária e financeira e as contas com função precípua de controle.

5.2.2.11 SUPERÁVIT FINANCEIRO Corresponde a diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro. 5.3 ANÁLISE O Patrimônio Público é o conjunto de direitos e bens, tangíveis ou intangíveis, onerados ou não, adquiridos, formados, produzidos, recebidos, mantidos ou utilizados pelas entidades do setor público, que seja portador ou represente um fluxo de benefícios, presente ou futuro, inerente à prestação de serviços públicos ou à exploração econômica por entidades do setor público e suas obrigações. A análise do Balanço Patrimonial consiste na sua decomposição, comparação e interpretação, permitindo conhecer detalhadamente a situação patrimonial da entidade. Os processos mais utilizados na análise do Balanço Patrimonial são a análise horizontal e a análise vertical. A análise horizontal consiste em se verificar a evolução dos elementos patrimoniais durante um determinado período. A análise vertical envolve elementos relativos a um mesmo exercício. 5.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO A avaliação dos elementos do Ativo e Passivo pode ser realizada mediante a utilização da análise por quocientes, dentre os quais se destacam os de índices de liquidez e endividamento. Alguns índices são descritos a seguir:

33

34

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

a) Liquidez imediata (LI) - Disponível/Passivo Circulante Este índice mede a capacidade financeira da entidade em honrar imediatamente seus compromissos de curto prazo contando apenas com suas disponibilidades, ou seja, os recursos disponíveis em caixa ou bancos. b) Liquidez corrente (LC) - Ativo Circulante/Passivo Circulante A liquidez corrente é um dos índices mais utilizados em análise econômico-financeira mostrando quanto a entidade poderá dispor em recursos a curto prazo (caixa, bancos, clientes, estoques, etc.) para pagar suas dívidas circulantes (fornecedores, empréstimos e financiamentos a curto prazo, contas a pagar, etc.). c) Liquidez seca (LS) - (Ativo Circulante – Itens Não Monetários)/Passivo Circulante Esse índice é uma medida mais rigorosa da liquidez da entidade. Mostra quanto poderá dispor de recursos circulantes, sem levar em consideração seus itens não monetários como os estoques, almoxarifados e as despesas antecipadas, para fazer face às suas obrigações a curto prazo. d) Liquidez geral (LG) - Ativo Circulante + Ativo Realizável a Longo Prazo / Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo A liquidez geral, ou índice de solvência geral, é uma medida de capacidade da entidade em honrar todas as suas exigibilidades, contando, para isso, com os seus recursos realizáveis a curto e longo prazos. e) Endividamento Geral (EG) – Passivo Circulante + Passivo Exigível a Longo Prazo x 100 / Passivo Total Esse índice demonstra o grau de endividamento da entidade. Reflete também a estrutura de capital da entidade.

6 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 6.1 CONCEITO A demonstração do fluxo de caixa tem o objetivo de contribuir para a transparência da gestão pública, na medida em que permite um melhor gerenciamento e controle financeiro dos órgãos e entidades do setor público. As informações dos fluxos de caixa são úteis para proporcionar aos usuários da informação contábil instrumento para avaliar a capacidade de a entidade gerar caixa e equivalentes de caixa, bem como suas necessidades de liquidez. Assim, a Demonstração dos Fluxos de Caixa permite aos usuários projetar cenários de fluxos futuros de caixa e elaborar análise sobre eventuais mudanças em torno da capacidade de manutenção do regular financiamento dos serviços públicos.

35

A Demonstração dos Fluxos de Caixa deve ser elaborada pelo método direto ou indireto e evidenciar as movimentações havidas no caixa e seus equivalentes, nos seguintes fluxos: (a) das operações; (b) dos investimentos; e (c) dos financiamentos. O fluxo de caixa das operações compreende os ingressos, inclusive decorrentes de receitas originárias e derivadas, e os desembolsos relacionados com a ação pública e os demais fluxos que não se qualificam como de investimento ou financiamento. O fluxo de caixa dos investimentos inclui os recursos relacionados à aquisição e à alienação de ativo não circulante, bem como recebimentos em dinheiro por liquidação de adiantamentos ou amortização de empréstimos concedidos e outras operações da mesma natureza. O fluxo de caixa dos financiamentos inclui os recursos relacionados à captação e à amortização de empréstimos e financiamentos. 6.2 ESTRUTURA A demonstração do fluxo de caixa pode ser levantada pelo método direto ou indireto. Caso se opte pelo método indireto, deverão ser demonstrados em nota explicativa os ajustes para conciliar o lucro líquido ao caixa líquido gerado pelas atividades operacionais.

35

6.2.1 Pelo Método Direto

EXERCÍCIO:

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EMISSÃO:

MÊS:

PÁGINA:

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

OPERACIONAIS Recursos Ordinários Imposto sobre Renda e Produtos Industrializados Contribuição para Financiamento da Seguridade Contribuição sobre o Lucro das Empresas Contribuições para os Programas PIS/PASEP Recursos destinados à MDE Contribuição Patronal para o PSS Contribuição do Servidor para o PSS Contribuição do Salário-Educação Recursos Não-Financeiros Diretam. Arrecadados Recursos Financeiros Diretamente Arrecadados Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia Dividendos Transferências Intergovernamentais Intragovernamentais Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Operacionais DE INVESTIMENTO Alienação de Ativo Não Circulante Amortização de Empréstimos Concedidos Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Investimento DE FINANCIAMENTO Operações de Crédito Fluxo de Caixa Líquido das Ativ. Financiamento GERAÇÃO LÍQUIDA POSITIVA DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA EXERCÍCIO ANTERIOR DISPONIBILIDADES COMPENSATÓRIAS

DISPÊNDIOS Exercício Atual

DO

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

OPERACIONAIS Recursos Ordinários Imposto sobre Renda e Produtos Industrializados Contribuição para Financiamento da Seguridade Contribuição sobre o Lucro das Empresas Contribuições para os Programas PIS/PASEP Recursos destinados à MDE Contribuição Patronal para o PSS Contribuição do Servidor para o PSS Contribuição do Salário-Educação Recursos Não-Financeiros Diretam. Arrecadados Recursos Financeiros Diretamente Arrecadados Taxas pelo Exercício do Poder de Polícia Dividendos Transferências Intergovernamentais Intragovernamentais Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Operacionais DE INVESTIMENTO Aquisição de Ativo Não Circulante Concessão de Empréstimos e Financiamentos Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Investimento DE FINANCIAMENTO Amortização/Refinanciamento da Dívida Fluxo de Caixa Líquido das Ativ. de Financiamento GERAÇÃO LÍQUIDA NEGATIVA DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE DISPONIBILIDADES COMPENSATÓRIAS

Exercício Atual

Exercício Anterior

37

37

6.2.2 Pelo Método Indireto

EXERCÍCIO:

MÊS:

EMISSÃO:

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA PÁGINA:

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Exercício Anterior

Exercício Atual

Exercício Anterior

RESULTADO PATRIMONIAL AJUSTES PARA CONCILIAR O RESULTADO PATRIMONIAL AO FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Fluxo de Caixa Líquido das Atividades Operacionais

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

DE INVESTIMENTO Alienação de Ativo Não Circulante Amortização de Empréstimos Concedidos Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Investimento DE FINANCIAMENTO Operações de Crédito Fluxo de Caixa Líquido das Ativ. Financiamento GERAÇÃO LÍQUIDA POSITIVA DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA DO EXERCÍCIO ANTERIOR DISPONIBILIDADES COMPENSATÓRIAS

DISPÊNDIOS Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

DE INVESTIMENTO Aquisição de Ativo Não Circulante Concessão de Empréstimos e Financiamentos Fluxo de Caixa Líq. das Ativ. Investimento DE FINANCIAMENTO Amortização/Refinanciamento da Dívida Fluxo de Caixa Líquido das Ativ. de Financiamento GERAÇÃO LÍQUIDA NEGATIVA DE CAIXA CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE DISPONIBILIDADES COMPENSATÓRIAS

6.2.3 Definições Para o levantamento da Demonstração do Fluxo de Caixa, é necessário definir os seguintes conceitos: 6.2.3.1 INGRESSOS OPERACIONAIS Corresponde à receita arrecadada corrente de atividades operacionais, demonstrando-se a destinação ordinária e as principais destinações vinculadas, considerando-se as respectivas deduções. Inclui, ainda, as transferências intra-governamentais e intergovernamentais. 6.2.3.2 TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS Reflete as movimentações de recursos financeiros que não representam arrecadação ou aplicação direta. 6.2.3.3 TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS Reflete as movimentações de recursos financeiros entre órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta. Aquelas efetuadas em cumprimento à execução do orçamento são as cotas, repasses e sub-repasses. Aquelas que não se relacionam com o Orçamento, em geral, decorrem da transferência de recursos relativos aos restos a pagar. Esses valores, quando observados os demonstrativos consolidados, são compensados.

6.2.3.4 INGRESSOS DE INVESTIMENTO Corresponde à receita orçamentária arrecadada referente alienação de ativo não financeiro ou de amortização de empréstimos concedidos. Inclui, ainda, as transferências intra-governamentais e intergovernamentais com a finalidade de atender a dispêndios de investimento. 6.2.3.5 INGRESSOS DE FINANCIAMENTO Corresponde à receita orçamentária arrecadada de operações de crédito, amortização de empréstimos e outras. Inclui, ainda, os ingressos extra-orçamentários, excluindo-se a inscrição em restos a pagar. 6.2.3.6 DISPÊNDIOS OPERACIONAIS Corresponde à despesa orçamentária de atividades operacionais paga, demonstrando-se a destinação ordinária e as principais destinações vinculadas, incluindo o pagamento dos restos a pagar processados e não processados de exercícios anteriores. Inclui, ainda, as transferências intragovernamentais e intergovernamentais. 6.2.3.7 DISPÊNDIOS DE INVESTIMENTO Corresponde à despesa orçamentária paga com investimentos e inversões financeiras, incluindo o pagamento dos restos a pagar processados e não processados de exercícios anteriores. As concessões de empréstimos e financiamentos figurarão em linha específica neste grupo. Inclui,

39

ainda, as transferências intra-governamentais e intergovernamentais com a finalidade de atender a dispêndios de investimento. 6.2.3.8 DISPÊNDIOS DE FINANCIAMENTO Corresponde à despesa orçamentária paga com amortização e refinanciamento da dívida, incluindo o pagamento dos restos a pagar processados e não processados de exercícios anteriores. Inclui, ainda, os dispêndios extra-orçamentários, excluindo-se o pagamento dos restos a pagar. 6.2.3.9 CAIXA E EQUIVALENTE-CAIXA Compreende o numerário em espécie e depósitos bancários disponíveis, além das aplicações financeiras de curto prazo, de liquidez imediata, que são prontamente conversíveis em um montante conhecido de caixa e que estão sujeitas a um insignificante risco de mudança de valor. Inclui, ainda, a receita orçamentária arrecadada que se encontra em poder da rede bancária em fase de recolhimento. As entradas e saídas meramente compensatórias (depósitos de terceiros) figurarão de forma destacada. Assim, na Demonstração de Fluxo de Caixa, figurarão como ingressos as receitas orçamentárias arrecadadas e como dispêndios as despesas orçamentárias e os restos a pagar pagos. As transações de investimento e financiamento que não envolvem o uso de caixa ou equivalentes de caixa, como aquisições financiadas de bens e arrendamento financeiro, não devem ser incluídas na demonstração dos fluxos de caixa. Tais transações devem ser divulgadas nas notas explicativas à demonstração, de modo que forneçam todas as informações relevantes sobre essas transações. 6.3 ANÁLISE A Demonstração do Fluxo de Caixa visa à análise do desempenho financeiro do setor público, permitindo: - ter uma visão geral da situação das finanças públicas, possibilitando efetuar comparações entre receitas e despesas por tipos de atividades (operacionais, de investimento e de financiamento), e avaliar as decisões de investimento e financiamento público; - avaliar a situação presente e futura do caixa da entidade, permitindo análise de liquidez; - certificar que os excessos de caixa estão sendo devidamente aplicados; - saber a capacidade de expansão com recursos próprios gerados pelas operações; - o emprego dos recursos financeiros disponíveis da melhor forma possível; - análise imediata da disponibilidade e do impacto da mesma nas finanças da entidade, quando da inserção de nova despesa na programação; - avaliar a previsão de quando é possível contrair novas despesas sem que isso comprometa as finanças públicas; - o controle sobre a ociosidade ou sobre o uso abusivo de recursos em determinados tipos de despesas; - evitar o déficit público e aumento do endividamento público.

39

40

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

6.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO A Demonstração do Fluxo de Caixa é um importante instrumento de avaliação da gestão pública, pois permite inferir, em nível macro, quais foram as decisões de alocação de recursos, de investimento e financiamento do setor público.

7 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO 7.1 CONCEITO No setor público, os resultados contábeis conhecidos até então são o resultado financeiro, obtido pelo Balanço Financeiro, que consiste em avaliar as variações na disponibilidade de caixa em um período; e o resultado patrimonial, obtido através da Demonstração das Variações Patrimoniais, que consiste em avaliar as variações quantitativas e qualitativas do patrimônio. Com o advento da administração pública gerencial, cujo controle tem enfoque para os resultados da ação governamental, é crescente a necessidade de a administração pública possuir um sistema de contabilização de custos que permita a análise da eficiência da utilização dos recursos colocados à disposição dos gestores, para execução dos programas de governo. A análise dos resultados financeiro e patrimonial não fornecem informações a respeito da eficiência da gestão pública, sendo necessária, para tanto, a avaliação do resultado econômico, que tem o objetivo de demonstrar para a sociedade se a aplicação dos recursos públicos, arrecadados principalmente por meio de tributos e contribuições, é eficiente. Quando houver uma adequada alocação dos recursos colocados à disposição do setor público, o resultado será o lucro econômico. Dessa forma, a Demonstração do Resultado Econômico, cujo levantamento é facultativo, deve evidenciar o resultado econômico de ações e dos serviços prestados pelo setor público, considerando sua interligação com o sistema de custos e apresentar na forma dedutiva, pelo menos, a seguinte estrutura: (a) receita econômica dos serviços prestados e dos bens ou dos produtos fornecidos; (b) custos identificados com a execução da ação pública; e (c) resultado econômico apurado. A receita econômica é o valor apurado a partir de benefícios gerados à sociedade pela ação pública, obtido por meio da multiplicação da quantidade de serviços prestados, bens ou produtos fornecidos, pelo custo de oportunidade. O custo de oportunidade é o valor que seria desembolsado na alternativa desprezada de menor valor entre aquelas consideradas possíveis para a execução da ação pública. É importante ressaltar que, para uma adequada elaboração da Demonstração do Resultado Econômico, é imprescindível que a receita econômica e o custo dos serviços prestados a serem demonstradas sejam mensurados com suficiente segurança.

41

7.2 ESTRUTURA

EXERCÍCIO: PÁGINA:

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO MÊS:

ESPECIFICAÇÃO

EMISSÃO:

Exercício Atual

Exercício Anterior

1. Receita econômica dos serviços prestados e dos bens ou dos produtos fornecidos 2. (-) Custos diretos identificados com a execução da ação pública 3. Margem Bruta 4 (-) Custos indiretos identificados com a execução da ação pública 5 (=) Resultado Econômico Apurado

7.3 ANÁLISE A análise do custo dos serviços prestados, da receita econômica e do resultado econômico permite analisar a eficiência da gestão pública. O resultado econômico positivo consiste no lucro econômico, significando que os recursos públicos alocados à ação pública objeto da análise estão sendo geridos de forma eficiente. O resultado econômico negativo significa o oposto. 7.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO Além de se preocupar com a legalidade, a Constituição Federal de 1988 também evidenciou a necessidade da avaliação de resultados quanto à eficiência e eficácia, como está demonstrado na redação dos seus art. 70 e 74: “Art. 70. A fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder. (grifo nosso) Art. 74. Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno com a finalidade de: II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração federal, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado.” (Constituição Federal de 1.988)

Ainda, a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101, de 04 de maio de 2000), estabelece que no parágrafo 3º do seu art. 50 estabelece que “a Administração Pública manterá sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária, financeira e patrimonial”. Portanto, podemos verificar que as legislações supracitadas apontam para a avaliação da gestão, na qual a avaliação do custo dos serviços prestados e da receita econômica são fundamentais. A implementação de um sistema de custos representa um grande avanço para propiciar essa

41

42

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

avaliação, pois representa uma importante ferramenta de auxílio à gestão, permitindo a transparência sobre os aspectos qualitativos e quantitativos dos programas de governo. O desenvolvimento e a implementação de um sistema de custos que permita a avaliação do custo dos serviços prestados trarão inúmeros benefícios para a Administração Pública, contribuindo efetivamente para a tomada de decisões sobre alocação de recursos e ampliando os mecanismos de controle da sociedade sobre a atuação governamental.

8 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.1 CONCEITO A entidade deve apresentar a demonstração das mutações no patrimônio líquido - DMPL, que objetiva demonstrar: a) o déficit ou superávit patrimonial do período; b) cada mutação no patrimônio líquido reconhecida diretamente no mesmo; e c) o efeito decorrente da mudança nos critérios contábeis e os efeitos decorrentes da retificação de erros cometidos em exercícios anteriores. Além disso, na DMPL demonstra-se o seguinte: a) as contribuições dos proprietários e distribuições recebidas por eles como proprietários; b) o saldo do superávit ou déficit patrimonial acumulado no início do período e na data da demonstração e os movimentos durante o período, e c) o movimento de cada item que compõe o patrimônio líquido. Alterações em ativos e no patrimônio líquido de uma entidade entre as datas de duas demonstrações financeiras consecutivas refletem o aumento ou diminuição da riqueza durante o período. A demonstração das mutações do patrimônio líquido - DMPL contemplará, no mínimo, os itens contidos na estrutura descrita no item 8.2 do presente manual, segregados em colunas, discriminando: a) Patrimônio/Capital Social b) Reservas de Capital c) Ajustes de Avaliação Patrimonial d) Reservas de Lucros e) Ações em Tesouraria f) Resultados Acumulados

43

8.2 ESTRUTURA DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EXERCÍCIO: MÊS: EMISSÃO: PÁGINA: Patrimônio/ Ajustes de Reservas Reservas Ações em Resultados Capital Avaliação de ESPECIFICAÇÃO de Capital Tesouraria Acumulados Social Patrimonial Lucros Saldo Inicial Ex. Anterior

TOTAL

Ajustes de Exercícios Anteriores Reavaliação de Ativos Aumento de Capital Resultado do Exercício Constituição/ Reversão de Reservas Dividendos Saldo Final Ex. Anterior Saldo Inicial Ex. Atual Ajustes de Exercícios Anteriores Reavaliação de Ativos Aumento de Capital Resultado do Exercício Constituição/ Reversão de Reservas Dividendos Saldo Final Ex. Atual

8.3 ANÁLISE As contas que formam o patrimônio líquido podem sofrer variações por inúmeros motivos, tais como: 1 - Itens que afetam o patrimônio líquido, afetando conjuntamente o ativo e o passivo: a) acréscimo do patrimônio líquido pelo resultado patrimonial positivo ou redução pelo resultado patrimonial negativo do exercício; b) redução por dividendos; c) acréscimo por reavaliação de ativos (quando o resultado for credor); d) acréscimo por doações e subvenções para investimentos recebidos; e) acréscimo por subscrição e integralização de capital; f) acréscimo pelo recebimento de valor que exceda o valor nominal das ações integralizadas ou o preço de emissão das ações sem valor nominal; g) acréscimo ou redução por ajuste de exercícios anteriores. 2 - Itens que somente afetam o patrimônio líquido:

43

44

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

a) aumento do capital com utilização de lucros e reservas; b) redução da conta Lucros / Prejuízos Acumulados para formação de reservas, como Reserva Legal, Reserva de Lucros a Realizar, Reserva para Contingência e outras; c) compensação de Prejuízos com Reservas. 8.4 AVALIAÇÃO DA GESTÃO A demonstração permite, dentre outras coisas, avaliar a evolução dos itens que compõem o patrimônio líquido, em complemento ao Anexo de Metas Fiscais integrante do projeto de lei de diretrizes orçamentárias, previsto pela Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal), artigo 4º, § 2o:

“O Anexo (de Metas Fiscais) conterá, ainda: (...) III - evolução do patrimônio líquido, também nos últimos três exercícios, destacando a origem e a aplicação dos recursos obtidos com a alienação de ativos;” (Lei Complementar 101/2000)

9 ANÁLISE DA CONSISTÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A análise da consistência das demonstrações contábeis tem por objetivo assegurar a consistência e a transparência das informações consolidadas e se fundamenta na avaliação da organização dos dados no formato em que serão divulgados. As inconsistências nas demonstrações contábeis causadas por erro no roteiro de contabilização de eventos devem ser regularizadas pelo órgão central de contabilidade do ente, que também é responsável pela inclusão de contas nas fórmulas das demonstrações. A presença de impropriedades nas demonstrações contábeis deve ser apontada na conformidade contábil, podendo-se utilizar códigos de restrição abaixo, como por exemplo: 959 Outros Ingressos/Dispêndios Balanço Financeiro 963 Receita Realizada no Balanço Financeiro Incompatível com a do Balanço Orçamentário. 966 Saldos Invertidos no Balanço Patrimonial 967 Desequilíbrio entre totais do Ativo e Passivo 970 Desequilíbrio entre Variações Ativas e Passivas na DVP 974 Demais Impropriedades - Balanço Financeiro 975 Demais Impropriedades - Balanço Patrimonial 976 Demais Impropriedades – DVP 977 Demais Impropriedades - Balanço Orçamentário 979 Ativo Financeiro (-) Passivo Financeiro – Balanço Patrimonial x Superávit/Déficit Financeiro do demonstrativo do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial Abaixo, seguem os roteiros básicos de análise da consistência das demonstrações contábeis:

45

9.1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO A análise da consistência consiste em observar os dados de previsão e execução da receita e fixação e realização da despesa orçamentária, verificando o equilíbrio entre previsão da receita e fixação da despesa, a compatibilidade dos valores da receita e despesa realizada com o Balanço Financeiro, o comportamento da execução da despesa em relação à previsão, a presença de valores a classificar e outras situações que comprometam a consistência das informações do Balanço.

a) Realização da Receita −

Analisar se o saldo da conta contábil de receita realizada, no balancete contábil, é igual à realização da receita apresentada no balanço orçamentário.



Comparar a realização da receita do balanço orçamentário com o balanço financeiro.

b) Realização da Despesa −

Analisar se o saldo da conta contábil de crédito liquidado, no balancete contábil, é igual à execução da despesa apresentada no balanço orçamentário.



Comparar a execução da despesa do balanço orçamentário com o balanço financeiro.



Analisar se a execução da despesa está maior que a sua dotação tanto com relação ao valor global. A presença de tal impropriedade pode caracterizar a execução de despesa sem suporte orçamentário, sujeitando aos responsáveis as punições estabelecidas nos instrumentos legais pertinentes.

c) Equilíbrio entre a previsão da receita e a fixação da despesa −

Verificar o equilíbrio entre a previsão orçamentária da receita e a dotação orçamentária da despesa.



Após a identificação, se o desequilíbrio apresentado no Balanço Orçamentário for proveniente de abertura de créditos por excesso de arrecadação da receita ou superávit financeiro apurado no Balanço Patrimonial do exercício anterior, deve ser efetuada nota explicativa, quando da publicação da demonstração.

Tanto a frustração na arrecadação quanto o cancelamento de dotação deverão estar demonstrados no balanço orçamentário, motivo pelo qual em nenhum dos dois casos deverá ser efetuado registro de cancelamento de previsão de receita, devendo, nesse último caso, fazer constar nota explicativa ao balanço orçamentário explicitando tal situação.

9.2 BALANÇO FINANCEIRO

45

46

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

A análise da consistência do balanço financeiro consiste, basicamente, em verificar a ocorrência das seguintes situações: −

A existência de valores registrados com o título de “Outros Ingressos” na Receita ou “Outros Dispêndios” na Despesa, nos órgãos ou entidades.



Observar se há inconsistência decorrente de registro contábil simultâneo em contas de subsistemas que não podem ser diferentes (ex: subsistema financeiro com orçamentário).



Apurar se as transferências, incorporações e extinção de saldos contábeis das unidades gestoras geraram desequilíbrio.



Determinar se os valores referentes à execução da receita e despesa guardam consistência com os do Balanço Orçamentário.



Verificar se o saldo de disponibilidade está compatível com o apresentado no Balanço Patrimonial.

9.3 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS A análise da consistência consiste em verificar o equilíbrio entre as variações ativas e passivas, a compatibilidade do déficit/superávit apresentado com o resultado do período do Balanço Patrimonial, bem como a presença de outras situações que comprometam a consistência das informações. Deve-se, ainda, verificar se o desequilíbrio apresentado entre as variações ativas e passivas é decorrente de contas inexistentes na fórmula da demonstração, solicitando ao órgão central de contabilidade do ente, se for o caso, sua inclusão. 9.4 BALANÇO PATRIMONIAL A análise de consistência do Balanço Patrimonial consiste em verificar o equilíbrio entre o Ativo, o Passivo e o Patrimônio Líquido, a compatibilidade do seu resultado do período com a Demonstração das Variações Patrimoniais, bem como a presença de outras situações que comprometam a consistência das informações. Deve-se verificar, ainda, a ocorrência das seguintes situações: − − − −

A existência de saldos invertidos e valores irrisórios. A existência de valores expressivos em “outros” e “outras”, que não pode ultrapassar 10% do valor do respectivo grupo de contas. Verificar se a diferença entre o Ativo Financeiro e o Passivo Financeiro é igual ao Superávit/Déficit Financeiro do Exercício apresentado no demonstrativo do superávit financeiro apurado no balanço patrimonial. Observar se o Resultado do Período no Balanço Patrimonial é igual ao Superávit/Déficit apurado na Demonstração das Variações Patrimoniais.

9.5 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

47

Para a análise da consistência da Demonstração do Fluxo de Caixa, deve-se verificar a ocorrência das seguintes situações: − − − − −

A existência de valores registrados com o título de “Outros Ingressos” na coluna de Ingressos ou “Outros Dispêndios” na coluna de Dispêndios, nos órgãos ou entidades. Analisar se o saldo da conta contábil de receita realizada, no balancete contábil, é igual à arrecadação da receita apresentada na demonstração. Observar se a inconsistência apresentada é decorrente de registro contábil simultâneo em contas de subsistemas que não podem ser diferentes (ex: subsistema financeiro com orçamentário). Apurar se as transferências, incorporações e extinção de saldos contábeis das unidades gestoras geraram desequilíbrio. Verificar se o saldo de disponibilidade está compatível com o apresentado no Balanço Patrimonial.

9.6 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ECONÔMICO A análise da consistência consiste em verificar se as informações evidenciadas da demonstração têm suporte em um sistema de custos confiável, que permita a mensuração do custo de oportunidade e da receita econômica do serviço público. 9.7 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO A análise da consistência consiste em verificar se os saldos que compõem a demonstração quardam consistência com os apresentados no Balanço Patrimonial, bem como a presença de outras situações que comprometam a consistência das informações.

10 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS A consolidação das demonstrações contábeis objetiva o conhecimento e a disponibilização de macroagregados do setor público, a visão global do resultado e a instrumentalização do controle social. É o processo que ocorre pela soma ou pela agregação de saldos ou grupos de contas, excluídas as transações entre entidades incluídas na consolidação, formando uma unidade contábil consolidada. No processo de consolidação de demonstrações contábeis devem ser consideradas as relações de dependência entre as entidades do setor público. As demonstrações consolidadas devem abranger as transações contábeis de todas as unidades contábeis incluídas na consolidação. Os ajustes e as eliminações decorrentes do processo de consolidação devem ser realizados em documentos auxiliares, não originando nenhum tipo de lançamento na escrituração das entidades que formam a unidade contábil.

47

48

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

As demonstrações contábeis das entidades do setor público, para fins de consolidação, devem ser levantadas na mesma data, admitindo-se a defasagem de até três meses, desde que os efeitos dos eventos relevantes entre as diferentes datas sejam divulgados em notas explicativas. As demonstrações contábeis consolidadas devem ser complementadas por notas explicativas que contenham, pelo menos, as seguintes informações: (a) identificação e características das entidades do setor público incluídas na consolidação; (b) procedimentos adotados na consolidação; (c) razões pelas quais os componentes patrimoniais de uma ou mais entidades do setor público não foram avaliados pelos mesmos critérios, quando for o caso; (d) natureza e montantes dos ajustes efetuados; (e) eventos subseqüentes à data de encerramento do exercício que possam ter efeito relevante sobre as demonstrações contábeis consolidadas. As demonstrações contábeis consolidadas do setor público são complementadas, ainda, por notas explicativas e outros quadros analíticos necessários ao esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados consolidados. Serão incluídas nas demonstrações contábeis consolidadas todas as entidades do setor público integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social. Do Balanço Patrimonial e da Demonstração das Variações Patrimoniais consolidadas devem ser eliminados: os saldos de quaisquer contas decorrentes de transações entre as entidades incluídas na consolidação; b) as parcelas dos resultados do exercício, do patrimônio líquido e do custo de ativos de qualquer natureza, que corresponderem a resultados ainda não realizados de negócios entre as entidades, exceto quando representarem perdas permanentes. c) as obrigações constantes na data do balanço patrimonial de uma das entidades (controladora ou controlada) com os direitos registrados na outra entidade referentes ao mesmo negócio. a)

49

11 EXERCÍCIO PRÁTICO 11.1 ESTRUTURA DO PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO As disposições relativas ao Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP), que balizará os lançamentos típicos e o levantamento das Demonstrações Contábeis ilustrativas deste exercício, estão dispostas no Manual do PCASP e contém a seguinte estrutura: A relação ou elenco de contas é a disposição ordenada dos códigos e títulos das contas. A estrutura básica do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público é a seguinte: CÓDIGO 1 ATIVO 1.1 1.1.1 1.1.2 1.1.3 1.1.4

TÍTULO

CÓDIGO 2 PASSIVO

TÍTULO

Passivo Circulante Depósitos Obrigações em Circulação

1.1.6

Ativo Circulante 2.1 Disponível 2.1.1 Créditos em Circulação 2.1.2 Bens e Valores em Circulação Valores Pendentes a Curto Prazo Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Dívida Ativa

1.2

Ativo Não - Circulante

1.2.1

Ativo Realizável a Longo Prazo

2.2 2.2.1

Passivo Não - Circulante Obrigações Exigíveis a Longo Prazo

1.2.2 1.2.3 1.2.4

Investimento Imobilizado Intangível 3

PATRIMÔNIOLÍQUIDO/SALDO PATRIMONIAL Patrimônio/Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ações em Tesouraria Resultados Acumulados

1.1.5

3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 3.6 4 4.1 4.2 4.3 4.4 4.5

VARIAÇÃO PATRIMONIAL PASSIVA Pessoal e Encargos Benefícios Sociais Uso de Bens e Serviços Financeiras Transferências

5 5.1 5.2 5.3 5.4 5.5

VARIAÇÃO PATRIMONIAL ATIVA Tributárias Contribuições Serviços e Exploração de Bens Financeiras Transferências

49

50

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

Outras Variações Passivas

4.9

Patrimoniais

5.9

Outras Variações Patrimoniais Ativas

A Estrutura dos Atos Potenciais do Ativo e do Passivo até o terceiro nível é a seguinte: CÓDIGO TÍTULO 6 ATOS POTENCIAIS 6.1 Atos Potenciais do Ativo Responsabilidades por Valores, 6.1.1 Títulos e Bens com Terceiros Garantias e Contragarantias de 6.1.2 Valores Recebidas 6.1.3 Direitos Conveniados 6.1.4 Direitos Contratuais 6.1.9 Outras Compensações do Ativo

CÓDIGO TÍTULO 6.2 6.2.1 6.2.2 6.2.3 6.2.4 6.2.9

Atos Potenciais do Passivo Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens de Terceiros Garantias e Contragarantias de Valores Concedidas Obrigações Conveniadas Obrigações Contratuais Outras compensações do Passivo

As Compensações do Ativo e do Passivo apresentam as chamadas Contas de Compensação, nas quais são registrados os denominados Atos Potenciais. Registros relativos à execução do orçamento e de outros procedimentos que tenham natureza apenas de controle são efetuados nas classes de Controles Orçamentários e Controles Diversos, conforme estrutura definida a seguir: CÓDIGO 7 7.1 7.1.1 7.1.2 7.2 7.2.1 7.2.2 7.3 7.4. 7.4.1 7.4.2 7.5 7.6 CÓDIGO 8 8.1 8.2 8.3 8.4 8.5 8.6 8.7

TÍTULO CONTROLES ORÇAMENTÁRIOS Planejamento Orçamentário Plano Plurianual Projeto de Lei Orçamentária Anual Previsão e Execução da Receita Orçamentária Previsão da Receita Orçamentária Execução da Receita Orçamentária Receita Orçamentária por Natureza Fixação e Execução da Despesa Orçamentária Fixação da Despesa Orçamentária Execução da Despesa Orçamentária Despesa Orçamentária por Natureza Restos a Pagar TÍTULO CONTROLES DIVERSOS Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens Garantias e Contragarantias de Valores Direitos e Obrigações Conveniados Direitos e Obrigações Contratuais Outras Compensações Programação Financeira Dívida Ativa

51

CÓDIGO 8.9 Outros Controles

TÍTULO

CÓDIGO 9 CUSTOS

TÍTULO

51

11.2 LANÇAMENTOS TÍPICOS

11.2.1 Previsão da Receita

D C

Título da Conta Previsão Inicial da Receita Orçamentária Receita Orçamentária a Realizar

Código 7.2.1 7.2.2

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 400

A Previsão Inicial da Receita Orçamentária tem os seguintes desdobramentos: Receita Corrente – Taxas 200 Receita de Capital – Operações de Crédito 120 Receita de Capital – Alienação de Bens 80

Vinculada à Saúde Ordinária Ordinária

11.2.2 Fixação da Despesa

D C

Título da Conta Despesa Orçamentária Fixada Crédito Orçamentário Disponível

Código 7.4.1 7.4.2

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 400

A Despesa Orçamentária Fixada tem os seguintes desdobramentos: Outras Despesas Correntes Despesas de Investimento

200 Vinculada à Saúde 200 Ordinária

11.2.3 Receita de Taxas Reconhecimento da Variação Patrimonial Ativa/Receita Tributária (Competência)

D C

Título da Conta Tributos a Receber Receita tributária

Código 1.1.2 5.3

Subsistema Não-Financeiro

Valor (R$) 200

Arrecadação de Receita Orçamentária

D C

Título da Conta Disponibilidade/Banco Tributos a Receber

Código 1.1.1 1.1.2

Subsistema Financeiro Não-Financeiro

Valor (R$) 150

52

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

Título da Conta Receita Orçamentária a Realizar – Taxas Vinculadas à Saúde Receita Orçamentária Realizada – Taxas Vinculadas à Saúde

Código 7.2.2

Código 7.3 7.3

Subsistema

D C

Título da Conta Receita Corrente – Taxas - Vinculadas à Saúde Controles da Receita Orçamentária

Código 8.6 8.6

Subsistema

D C

Título da Conta Disponibilidade por Fonte de Recursos a Utilizar Disponibilidade de Recursos

Título da Conta Disponibilidade/Banco Obrigações Exigíveis a Longo Prazo

Código 1.1.1 2.1.2

Subsistema

Título da Conta Receita Orçamentária a Realizar – Op. Crédito Ordinária Receita Orçamentária Realizada – Op. Crédito Ordinária

Código 7.2.2

Subsistema

Código 7.3

C

Título da Conta Receita de Capital – Operações de Crédito Ordinária Controles da Receita Orçamentária

Código 8.6 8.6

Subsistema

D C

Título da Conta Disponibilidade por Fonte de Recursos a Utilizar Disponibilidade de Recursos

Código 1.1.2 1.1.3

Subsistema

D C

7.2.2

Subsistema Orçamentário

Orçamentário

Compensação

Valor (R$) 150

Valor (R$) 150 Valor (R$) 150

11.2.4 Contratação de Operação de Crédito Arrecadação de Receita Orçamentária

D C

D C

D

7.2.2

Financeiro Não-Financeiro

Orçamentário

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 80 Valor (R$) 80

Valor (R$) 80

7.3

Compensação

Valor (R$) 80

11.2.5 Alienação de Bens (Valor da venda é igual ao valor contábil líquido do bem) Registro da baixa do bem

D C

Título da Conta Créditos a Receber Imobilizado

Arrecadação de Receita Orçamentária

Não-Financeiro

Valor (R$) 120

53

Título da Conta Disponibilidade/Banco Créditos a Receber

Código 1.1.1 1.1.2

Subsistema

Título da Conta Receita Orçamentária a Realizar – Alien. de bens Ordinária Receita Orçamentária Realizada – Alien. de bens Ordinária

Código 7.2.2

Subsistema

Código 7.3 7.3

Subsistema

D C

Título da Conta Receita de Capital – Alienação de Bens - Ordinária Controles da Receita Orçamentária

Código 8.6 8.6

Subsistema

D C

Título da Conta Disponibilidade por Fonte de Recursos a Utilizar Disponibilidade de Recursos

Código 1.1.3 5.5

Subsistema

Código 8.4

Subsistema

D C

D C

7.2.2

Financeiro Não-Financeiro

Orçamentário

Orçamentário

Compensação

53

Valor (R$) 120 Valor (R$) 120

Valor (R$) 120 Valor (R$) 120

11.2.6 Registro de Bens Recebidos por Doação Registro da Incorporação do bem

D C

Título da Conta Imobilizado Transferências

Não-Financeiro

Valor (R$) 70

11.2.7 Despesa de Serviços Registro do Contrato de Prestação de Serviço

D C

Título da Conta Direitos e Obrigações Contratuais – Valor Contratado Obrigações Contratuais – Contratos de Serviços

6.2.4

Compensado

Valor (R$) 270

Empenho da Dotação Orçamentária

D C

Título da Conta Crédito Orçamentário Disponível – Sv. Terceiros Crédito Empenhado a Liquidar - Sv. Terceiros

Código 7.4.2 7.4.2

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 200

Reconhecimento da Variação Patrimonial Passiva (concomitante com a liquidação orçamentária)

D C

Título da Conta Uso de Bens e Serviços Fornecedores

Liquidação da Despesa Orçamentária

Código 4.3 2.1.2

Subsistema Não-Financeiro Financeiro

Valor (R$) 150

54

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

D C D C

D C

D C

Título da Conta Despesa Corrente – Serviços de Terceiros Controles da Despesa Orçamentária Título da Conta Obrigações Contratuais – Contratos de Serviços Direitos e Obrigações Contratuais – Contratos Executados

Código 7.5 7.5 Código 6.2.4 8.4

Título da Conta Crédito Empenhado a Liquidar - Sv. Terceiros – Vinculado à Saúde Crédito Empenhado Liquidado - Sv. Terceiros – Vinculado à Saúde

Código 7.4.2

Título da Conta Disponibilidade por Destinação de Recursos – Comprometida Disponibilidade por Destinação de Recursos – A Utilizar

Código 8.6

7.4.2

8.6

Subsistema Orçamentário

Subsistema Compensado

Subsistema Orçamentário

Subsistema Compensação

Valor (R$) 150 Valor (R$) 150

Valor (R$) 150

Valor (R$) 150

Pagamento da Despesa Orçamentária (Saída do Recurso Financeiro)

D C

D C

D C

Título da Conta Fornecedores Bancos Conta Movimento

Código 2.1.2 1.1.1

Subsistema

Título da Conta Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada Disponibilidade por Destinação de Recursos – Comprometida

Código 8.6

Subsistema

Título da Conta Crédito Empenhado Liquidado - Sv. Terceiros – Vinculado à Saúde Crédito Orçamentário Pago - Sv. Terceiros – Vinculado à Saúde

Código 7.4.2

8.6

7.4.2

Financeiro

Compensação

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 100

Valor (R$) 100

Valor (R$) 100

Na abertura do exercício financeiro seguinte, deve ser efetuada a baixa do saldo da conta “Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada”, com o objetivo de que esta demonstre o valor da disponibilidade utilizada no novo exercício.

D C

Título da Conta Disponibilidade de Recursos Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada

Código 8.6 8.6

Subsistema Compensação

Valor (R$) 100

55

55

11.2.8 Aquisição de Bens do Imobilizado Empenho da Dotação Orçamentária

D C

Título da Conta Crédito Orçamentário Disponível – Investimento – Destinação Ordinária Crédito Empenhado a Liquidar – Investimento – Destinação Ordinária

Código 7.4.2 7.4.2

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 110

Liquidação da Despesa Orçamentária e Incorporação do Bem

D C

D C

D C

D C

Título da Conta Imobilizado Fornecedores

Código 1.2.3 2.1.2

Subsistema

Título da Conta Despesa de Capital – Investimento – Destinação Ordinária Controle da Despesa Orçamentária

Código 7.5

Subsistema

Título da Conta Crédito Empenhado a Liquidar – Investimento – Destinação Ordinária Crédito Empenhado Liquidado – Investimento – Destinação Ordinária

Código 7.4.2

Título da Conta Disponibilidade por Destinação de Recursos – Comprometida Disponibilidade por Destinação de Recursos – A Utilizar

Código 8.6

Não-Financeiro Financeiro

Orçamentário

Valor (R$) 110 Valor (R$) 110

7.5

7.4.2

8.6

Subsistema Orçamentário

Subsistema Compensação

Valor (R$) 110

Valor (R$) 110

Pagamento da Despesa Orçamentária (Saída do Recurso Financeiro)

D C

D C

D C

Título da Conta Fornecedores Bancos Conta Movimento

Código 2.1.2 1.1.1

Subsistema

Título da Conta Disponibilidade por Destinação de Recursos – Utilizada Disponibilidade por Destinação de Recursos – Comprometida

Código 8.6

Subsistema

Título da Conta Crédito Empenhado Liquidado Crédito Pago

Código 7.4.2 7.4.2

8.6

Financeiro

Compensação

Subsistema Orçamentário

Valor (R$) 110 Valor (R$) 110

Valor (R$) 110

56

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

11.2.9 Depreciação Reconhecimento da Variação Patrimonial Passiva

D C

Título da Conta Uso de Bens e Serviços Imobilizado – Depreciação Acumulada

Código 4.3 1.2.3

Subsistema

Código 4.5 1.2.3

Subsistema

Não-Financeiro

Valor (R$) 50

11.2.10 Baixa de Bens Doados Reconhecimento da Variação Patrimonial Passiva

D C

Título da Conta Transferências Imobilizado

Não-Financeiro

Valor (R$) 40

11.3 ELABORAÇÃO DO BALANCETE CONTÁBIL Com base nos lançamentos contábeis ilustrativos efetuados na seção anterior, tem-se o seguinte balancete contábil:

57

57

BALANCETE-GERAL DO ENTE Descrição da conta Disponibilidade/Banco Créditos a Receber Imobilizado Imobilizado – depreciação acumulada Fornecedores Obrigações Exigíveis a Longo Prazo Resultado Patrimonial Patrimônio Líquido / Saldo Patrimonial Uso de Bens e Serviços Transferências Serviços e Exploração de Bens Transferências Obrigações Contratuais - Contratos de Serviços Previsão Inicial da Receita Orçamentária – Taxas – Vinculada à Saúde Previsão Inicial da Receita Orçamentária – Operações de crédito – Destinação ordinária Previsão Inicial da Receita Orçamentária – Alienação de Bens – Destinação ordinária Receita Orçamentária a Realizar – Taxas Vinculada à Saúde Receita Orçamentária a Realizar – Operações de Crédito – Destinação ordinária Receita Orçamentária a Realizar – Alienação de Bens – Destinação ordinária Receita Orçamentária Realizada – Taxas Vinculada à Saúde – Destinação ordinária Receita Orçamentária Realizada – Operações de Crédito – Destinação ordinária Receita Orçamentária Realizada – Alienação de Bens Receita Corrente – Taxas Receita de Capital – Operações de Crédito Controles da Receita Orçamentária Despesa Orçamentária Fixada – Outras Despesas Correntes – Vinculação à Saúde Despesa Orçamentária Fixada – Investimento – Vinculação Ordinária Crédito Orçamentário Disponível – Outras Despesas Correntes – Vinculação à Saúde Crédito Orçamentário Disponível – Investimento – Vinculação Ordinária Crédito Empenhado a Liquidar – Outras Despesas Correntes – Vinculação à Saúde Crédito Empenhado a Liquidar – Investimento – Vinculação Ordinária Crédito Empenhado Liquidado – Outras Despesas Correntes – Vinculação à Saúde Crédito Empenhado Liquidado – Investimento – Vinculação Ordinária Crédito Pago – Outras Despesas Correntes Crédito Pago – Investimento Despesa Corrente – Serviços de Terceiros Despesa de Capital – Investimento Controles da Despesa Orçamentária Direitos e Obrigações Contratuais – Contratos de Serviços Disponibilidade por Fonte de Recursos a Utilizar Disponibilidade por Fonte de Recursos Comprometida Disponibilidade por Fonte de Recursos – Utilizada Disponibilidade de Recursos TOTAL

Código

Débitos

Créditos

1.1.1 1.1.2 1.2.3 1.2.3 2.1.2 2.2.1 4 3 4.3 4.5 5.3 5.5 6.2.4 7.2.1

150+80+120 200+120 70+110

100+110 150+120 120+40 50 150+110 80

7.2.1

Movimento Devedor 140 50 20

Movimento Credor

Demonstração Contábil

200

Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial Balanço Patrimonial DVP Balanço Patrimonial / DMPL Dem. Variações Patrimoniais Dem. Variações Patrimoniais Dem. Variações Patrimoniais Dem. Variações Patrimoniais Balanço Patrimonial Balanço Orçamentário

80

80

Balanço Orçamentário

7.2.1

120

120

Balanço Orçamentário

7.2.2

150

200

7.2.2

80

80

Balanço Orçamentário

7.2.2

120

120

Balanço Orçamentário

100+110 30

50 50 80 30

30 150+50 40

150 200

30 200 40

200 70 270

200 70 120

50

7.2.2

150

150

7.2.2

80

80

7.2.2

120

120

Balanço Orçamentário

Balanço Orçamentário / Balanço Financeiro / DFC Balanço Orçamentário/ Balanço Financeiro / DFC Balanço Orçamentário/ Balanço Financeiro / DFC

7.3 7.3 7.3 7.4.1

150 80

150 80

200

200

Balanço Orçamentário

7.4.1

200

200

Balanço Orçamentário

7.4.2

200

200

7.4.2

110

200

7.4.2

150

200

7.4.2

110

110

7.4.2

100

150

7.4.2

110

110

150+80

230

90

50

50

7.4.2 7.4.2 7.5 7.5 7.5 8.4

100 110 150 110 270

150+110 150

120

8.6 8.6

150+80+120 150+110

150+110 100+110

90 50

8.6 8.6

100+110 4.990

100 110 150 110 260

210 150+80+120 4.990

2.240

350 2.240

Balanço Orçamentário / Balanço Financeiro Balanço Orçamentário / Balanço Financeiro Balanço Orçamentário / Balanço Financeiro Balanço Orçamentário / Balanço Financeiro DFC DFC

58

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

11.4 LEVANTAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

11.4.1 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO:

MÊS:

RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS

EMISSÃO: PREVISÃO INICIAL

RECEITAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de Crédito Internas Operações de Crédito Externas ALIENAÇÃO DE BENS Alienação de Bens Móveis Alienação de Bens Imóveis DÉFICIT TOTAL SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES (UTILIZADOS PARA CRÉDITOS ADICIONAIS)

PÁGINA: RECEITAS REALIZADAS (b)

PREVISÃO ATUALIZADA (a)

SALDO A REALIZAR (a-b)

400

350

50

200 200

150 150

50 50

200

150

50

200 80 80

200 80 80

0 0 0

120 120

120 120

0 0







400

– – –

350 –



DOTAÇÃO CRÉDITOS DOTAÇÃO INICIAL ADICIONAIS ATUALIZADA

DESPESAS EMPENHADAS

DESPESAS LIQUIDADAS

(g)

(h)

INSCRIÇÃO SALDO EM RP NÃO DA PROCESSADOS DOTAÇÃO

DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS (d) DESPESAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) DESPESAS CORRENTES PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA OUTRAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL INVESTIMENTOS INVERSÕES FINANCEIRAS AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DO RPPS DESPESAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) SUPERÁVIT TOTAL

(e)

(f)=(d+e)

(i)=(g-h)

(j)=(f-g)

200

200

200

150

50

200

200

110

110

90

400

40 310

260

350



– 400



-

– –

59

11.4.2 BALANÇO FINANCEIRO

EXERCÍCIO:

BALANÇO FINANCEIRO EMISSÃO:

MÊS:

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

PÁGINA:

DISPÊNDIOS

Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Receita Orçamentária

350

Despesa Orçamentária

260

Ordinária Vinculada Saúde Educação Previdência Social Transferências obrigatórias de outro ente Convênios Dívida Pública Outras Vinculações

200 150 150

Ordinária Vinculada Saúde Educação Previdência Social Transferências obrigatórias de outro ente Convênios Dívida Pública Outras Vinculações

150 110 110

Exercício Anterior

Deduções da Receita

Recebimentos ExtraOrçamentários

Pagamentos Orçamentários

Transferências Financeiras Recebidas

50(*)

Recebimentos ExtraOrçamentários Disponibilidade Anterior TOTAL

do

Extra-

Transferências Financeiras Concedidas Pagamentos Orçamentários

Ex.

0

400

Disponibilidade Seguinte

140

Extra-

p/

o

Ex.

400

(*) Corresponde às despesas liquidadas e ainda não pagas, considerando-se, ao longo do exercício, as despesas liquidadas no grupo dos dispêndios orçamentários.

59

60

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

11.4.3 DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS EXERCÍCIO:

DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS MÊS: EMISSÃO:

PÁGINA:

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS Exercício Atual

Exercício Anterior

Variações Ativas Operacionais Tributárias

200

Contribuições Serviços e Exploração de Bens Transferências

70

Outras Total das Variações Ativas Operacionais

270

Variações Passivas Operacionais Pessoal e Encargos Benefícios Sociais Uso de Bens e Serviços

200

Transferências

40

Outras Total das Variações Passivas Operacionais Superávit/(déficit) das atividades operacionais

240 30

Resultado Financeiro Líquido Ganhos e Perdas Não Operacionais Resultado da Equivalência Patrimonial Superávit/(déficit) Patrimonial do Período 30 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS (decorrentes da execução orçamentária) Incorporação de Ativos Não-Financeiros

110

X

Desincorporação de Passivos Não-Financeiros

120

X

Incorporação de Passivos Não-Financeiros

80

X

Desincorporação de Ativos Não-Financeiros

X

X

61

11.4.4 BALANÇO PATRIMONIAL

EXERCÍCIO:

BALANÇO PATRIMONIAL EMISSÃO:

MÊS:

ATIVO ESPECIFICAÇÃO

Exercício

Atual ATIVO CIRCULANTE Disponível Créditos em Circulação Bens e Valores em Circulação Valores Pendentes a Curto Prazo Investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Dívida Ativa ATIVO NÃO-CIRCULANTE Realizável a Longo Prazo Investimento Imobilizado

PÁGINA:

PASSIVO Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

190 140 50

PASSIVO CIRCULANTE Depósitos Obrigações em Circulação

50

90

PASSIVO NÃOCIRCULANTE Obrigações Exigíveis a Longo Prazo

80 80

TOTAL DO PASSIVO

130

90

Exercício Anterior

50

PATRIMÔNIO LÍQUIDO ESPECIFICAÇÃO Patrimônio/Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reservas de Lucros Ações em Tesouraria Resultados Acumulados

TOTAL

280

TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL

ATIVO FINANCEIRO ATIVO PERMANENTE SALDO PATRIMONIAL

190 90

PASSIVO FINANCEIRO PASSIVO PERMANENTE

Exercício Atual

Exercício Anterior

150 150

50 80 150

280

Compensações ESPECIFICAÇÃO

COMPENSAÇÕES DO ATIVO Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens Garantias e Contragarantias de Valores Direitos e Obrigações Conveniados Direitos e Obrigações Contratuais Outras Compensações

Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

COMPENSAÇÕES DO PASSIVO Responsabilidades por Valores, Títulos e Bens Garantias e Contragarantias de Valores Direitos e Obrigações Conveniados Direitos e Obrigações Contratuais Outras Compensações

120

120

Exercício Anterior

61

62

D EMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO – 1 ª EDIÇÃO

11.4.5 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

EXERCÍCIO:

MÊS:

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA EMISSÃO:

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

OPERACIONAIS Imposto sobre renda e Produtos Industrializados

DE INVESTIMENTO

PÁGINA:

DISPÊNDIOS

Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

150

OPERACIONAIS

100

150

Vinculadas à Saúde

100

120 120

DE INVESTIMENTO Aquisição de Ativo Não Circulante

110 110

Alienação de Ativo Não-Circulante

DE FINANCIAMENTO

80

DE FINANCIAMENTO

0

80 Operações de Crédito

0 DISPONIB. DO EXERCÍCIO ANTERIOR

TOTAL

350

DISPONIB. PARA O EXERCÍCIO SEGUINTE

140

TOTAL

350

Exercício Anterior

63

11.4.6 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES NO PATRIMÔNIO LÍQUIDO EXERCÍCIO: MÊS: EMISSÃO: PÁGINA: Patrimônio/ Ajustes de Reservas Reservas Ações em Resultados Capital Avaliação de ESPECIFICAÇÃO de Capital Tesouraria Acumulados Social Patrimonial Lucros Saldo Inicial Ex. Anterior

TOTAL

Ajustes de Exercícios Anteriores Reavaliação de Ativos Aumento de Capital Resultado do Exercício

120

Constituição/ Reversão de Reservas Dividendos

Saldo Final Ex. Anterior Saldo Inicial Ex. Atual Ajustes de Exercícios Anteriores Reavaliação de Ativos

120

120

Aumento de Capital Resultado do Exercício

30

Constituição/ Reversão de Reservas Dividendos

Saldo Final Ex. Atual

150

150

63

View more...

Comments

Copyright © 2017 SLIDEX Inc.
SUPPORT SLIDEX